Publicado 24 de Março de 2015 - 7h57

Cruz cemitério

Divulgação

Cruz cemitério

A China executou nesta terça-feira três uigures condenados pela morte de 31 pessoas em 2014, em um ataque a uma estação ferroviária atribuído aos "separatistas" da região muçulmana de Xinjiang (oeste).

Os executados - Iskandar Ehet, Turgun Tohtunyaz e Hasayn Muhammad -, todos de origem uigur, foram condenados por "liderar um grupo terrorista e por homicídios dolosos", anunciou a Suprema Corte da China em um comunicado.

Xinjiang é uma região do oeste da China com população de maioria uigur, muçulmanos de língua turca que denunciam discriminação.

"A China recorre à pena de morte com fins políticos, sem tratar a raiz do problema", denunciou Dilxat Rashit, porta-voz do Congresso Mundial Uigur.

"Os acusados não tiveram direito a um julgamento digno deste nome", completou em uma mensagem enviada à AFP.

O ataque com facas, cometido em 1º de março de 2014 na estação de Kunming, capital da província de Yunnan, sul da China, terminou com 31 mortos e mais de 140 feridos.