Publicado 23 de Março de 2015 - 10h21

Por France Press

Policiais franceses observam o trãnsito na região central da cidade

France Press

Policiais franceses observam o trãnsito na região central da cidade

O rodízio de carros entrou em vigor em Paris nesta segunda-feira (23), em uma resposta ao nível excepcional de poluição na capital da França.

A medida extraordinária entrou em vigor às 5H30 locais e nesta segunda-feira apenas os veículos com placa de final ímpar poderão trafegar por Paris e seus 22 municípios limítrofes.

A polícia mobilizou 750 agentes para monitorar o trânsito em 100 pontos de controle. Os infratores podem pagar uma multa de 22 euros (24 dólares).

A aplicação da medida tem apenas dois precedentes: em 1997 e em 17 de março de 2014. 

Na ocasião, a medida foi aplicada no sétimo dia de um episódio de elevada contaminação por partículas finas na região de Paris, um fenômeno que pode provocar câncer, alergia e doenças respiratórias ou cardiovasculares.

Apesar da divulgação intensa no fim de semana, muitas pessoas não respeitaram a medida.

"Eu trabalho e não tenho tempo a perder com isto", disse um motorista em um sinal vermelho de Porte d'Italie, zona sul de Paris, ao ser questionado porque estava sozinho em seu carro, que tem placa de final par. 

O rodízio não envolve todos os moradores e entre os isentos estão os veículos "limpos" (elétricos, híbridos) ou aqueles que transportam pelo menos três pessoas. Também estão autorizados a circular os veículos de serviço público (polícia, bombeiros) e alguns veículos profissionais (atividades do comércio, imprensa).

A boa notícia para os passageiros é que o transporte é gratuito, assim como as vagas de estacionamento residenciais.

A decisão de prolongar ou não o tráfego alternado será anunciada durante a segunda-feira, em função das previsões do organismo que monitora a qualidade do ar na região de Paris, o Airparif.

Caso a medida seja prorrogada, apenas os veículos com placa de final par serão autorizados a circular na terça-feira.

Escrito por:

France Press