Publicado 23 de Março de 2015 - 11h44

Erika Cristina Ferreira Rodrigues desapareceu durante o temporal e ela, está grávida de três meses, ia buscar o marido no trabalho no momento da forte chuva desta segunda

Dorinaldo Oliveira/ Correio Popular

Erika Cristina Ferreira Rodrigues desapareceu durante o temporal e ela, está grávida de três meses, ia buscar o marido no trabalho no momento da forte chuva desta segunda

Após seis dias de procura pela psicóloga Érika Rodrigues, de 38 anos, o Corpo de Bombeiros de Campinas anunciou na manhã desta segunda-feira (23) que encerrou as buscas, e que a partir de agora o 16º Grupamento de Bombeiros de Piracicaba comandará as operações.

 

Grávida de três meses, Érika desapareceu durante forte chuva que fez o Córrego Piçarrão inundar e arrastar o veículo Ford ka da vítima. Ontem, dois bombeiros de Capivari deram continuidade nas buscas rio abaixo.

A corporação de Campinas informou ontem que as equipes de terra, água e ar, com o auxílio do helicóptero Águia da PM durante três dias consecutivos, percorreram o trecho até o município de Capivari, mas não localizaram a vítima.

 

Cerca de 12 bombeiros de Campinas, em revezamento, vasculharam as margens do Piçarrão em Campinas, e no Rio Capivari nas cidades de Hortolândia, Monte Mor e Capivari - esse último ponto distante cerca de 45 quilômetros de onde o veículo foi encontrado na segunda-feira (16), no Jardim Miranda.

No início da tarde de ontem dois bombeiros de Capivari entraram no rio para iniciar as buscas. De acordo com o soldado Carlos, o nível do Capivari está muito alto, e será preciso um trabalho minucioso principalmente nas margens.

 

"Como o nível está muito alto não será possível avançar muitos quilômetros rio abaixo. Os soldados vão ‘bater’ (vasculhar) na ida uma margem e na volta outra" , explicou o bombeiro.

 

Entretanto, às 16h45 de hoje os bombeiros estavam vasculhando as margens do Capivari na altura do Distrito Industrial daquele município, e já haviam percorrido um trecho de aproximadamente sete quilômetros, sem novidades.

O marido da psicóloga, o analista contábil Willian Silva de Barros, de 35 anos, disse que ainda tem esperança em encontrar Érika.

 

"Tenho esperança em encontrar ela sim. Quero recebê-la, do jeito que ela vier" , disse. Barros está afastado uma semana da empresa de contabilidade onde trabalha, na Vila Industrial. "Vou na empresa amanhã (hoje) ver se continuo afastado. O pensamento é 24 horas na Érika", contou.

De acordo com o marido da vítima, nem mesmo a bolsa com cartões de crédito e demais documentos da psicóloga foram achados. Inclusive o cartão pré-natal. "Falta uma semana para ela entrar no quarto mês de gestação", informou o marido. A bolsa da psicóloga é laranja e tem uns 40 centímetros de largura. A Polícia Civil informou que está investigando o caso.

 

Veja também