Publicado 27 de Fevereiro de 2015 - 19h42

Por Adagoberto F. Baptista

Gustavo Abdel

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

A Prefeitura de Paulínia divulgou decreto que suspende a realização de uma nova edição do Festival de Cinema assim como um edital com o valor de R$ 8 milhões, de acordo com nota enviada. O motivo, de acordo com a administração, é a crise financeira que atinge a cidade e contratos irregulares. A mostra internacional aconteceria em junho.

O prefeito José Pavan Júnior (PSB) chamou a suspensão de "Operação Paulínia Urgente". “Estamos em meio à beira de um estado de emergência", disse o prefeito, referindo-se à dívida da cidade que chega a R$ 160 milhões. Foi também Pavan quem suspendeu o festival em 2012, com a proposta de usar a verba do festival para apoiar trabalhos sociais.

A assessoria da Prefeitura confirmou que algumas produções estavam em andamento, mas sem contratos assinados e irregularidades em todo o processo de seleção. “Existe até o argumento de produtores, manifestado em e-mails para a Secretaria de Cultura, da gestão anterior, assumindo a responsabilidade pelo início de produção, mesmo sem contrato legal”, informou o Executivo por meio da assessoria de imprensa.

A suspensão ainda não é definitiva. Contudo, a prefeitura revelou que revisará todos os contratos em um período de 60 dias por uma comissão formada por quatro secretários, em busca de irregularidades. Após os dois meses, será tomada uma nova decisão. “Estamos trabalhando para checar tudo e ir pagando dentro de nossas prioridades, tudo o que for possível, primeiro para Saúde e Educação”, destacou o prefeito, em nota.

As produções começaram na administração de Edson Moura Junior (PMDB) - afastado em meio a sete mandatos de cassação emitidos a partir de 2012 -, envolvendo uma suposta verba de R$ 8 milhões (ou seja, R$ 800 mil para cada uma das dez produções), com base em uma ata de reunião feita entre os produtores e então diretores da Secretaria de Cultura. Dentre as produções estão: Tudo Bom Tudo Bem, O Escaravelho do Diabo, Vai que dá certo 2, O Olho e a Faca, Em Nome da Lei, entre outros.

Na edição de 2014, o Festival teve como grande vencedor o longa pernambucano A história da eternidade, de Camilo Cavalcante. Além de melhor filme, o longa-metragem recebeu os trofeús Menina de Ouro de melhor direção, atriz, ator e prêmio da crítica. O Festival de Cinema ficou marcado como o evento que distribuía os maiores prêmios para as produções da mostra competitiva.

Pavan apresentou ao seu secretariado, na última terça-feira à tarde o decreto municipal nº 6.773, determinando “a adoção de medidas temporárias para autorização e pagamento de despesas vencidas e a vincendas (a vencer), com o objetivo de avaliar, sanear e ajustar financeiramente os gastos da Prefeitura Municipal de Paulínia”.

“O que aconteceu aqui foi um total descaso com a coisa pública. Não se sabe até hoje o número de contratos vencidos ou em aberto. Há cerca de 80 deles vencidos no Hospital Municipal e cerca de 30 na Saúde”, finalizou a nota.

De acordo com o secretário de Saúde nomeado por Pavan, Ricardo Carajeleascow, somente o Hospital Municipal tem uma dívida de R$ 1,3 milhão e há 120 medicamentos em falta, além de 30 itens necessários para o atendimento a pacientes zerados no estoque.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista