Publicado 27 de Fevereiro de 2015 - 16h29

Por Vilma Gasques

Tecnologia

Istock

Tecnologia

Em tempos modernos, a tecnologia está cada vez mais atrelada ao nosso cotidiano. E na saúde também é assim, tanto na medicina diagnóstica, que permite a descoberta de doenças com mais precisão e rapidez, quanto nos aparelhos que devolvem a qualidade de vida a pessoas que sofrem, por exemplo, de problemas auditivos. Na Audium, que trabalha com equipamentos da marca Phonak, uma das mais conceituadas do ramo, as novidades ficam por conta de aparelhos que facilitam a percepção da fala, principalmente à distância e em meio a ruídos.

 

Foto: Istock

“Ouvir no ruído faz parte do nosso dia a dia. Ouvir e entender a fala nessa condição é um desafio e, muitas vezes, nos damos conta dos efeitos disso na atenção, na concentração e na energia necessária até mesmo para quem não tem dificuldade auditiva”, diz o gerente regional da Audium Campinas, Ricardo Gasparini. Segundo ele, as tecnologias são desenvolvidas pela Sonova, na Suíça, visando facilitar o acesso e a compreensão da fala nessas situações. Recentemente, foram lançados aparelhos da plataforma Quest que, conforme pesquisas apontaram, compensa os problemas decorrentes da perda auditiva.

Na Audium, um dos destaques é o Lyric, primeiro aparelho auditivo 100% invisível e que não precisa ser retirado para tomar banho ou dormir, proporcionando mais comodidade. Também há acessórios para auxiliar os que usam aparelhos auditivos em atividades como assistir TV e falar ao telefone.

 

Tecnologia

Superdiscretos

A discrição que faz com que os aparelhos passem quase despercebidos é característica também dos produtos da Sonic e dos que utilizam a tecnologia com receptor no canal (RIC). “Os aparelhos auditivos são compostos por três partes (microfone, amplificador e receptor), e nos convencionais elas estão localizadas em uma única caixa”, explica o gerente de desenvolvimento de produtos da Audtec, César Vinício Tavares. De acordo com ele, a RIC possui o receptor do lado de fora dessa caixa, no conduto auditivo; as outras partes ficam atrás da orelha. Outra vantagem dessa tecnologia é a flexibilidade de adaptação, podendo atender de perdas leves a severas e várias configurações de audiometria.

“A tecnologia sem fio está à nossa volta, tornando a vida mais conveniente do que nunca. E isso pode funcionar nos aparelhos auditivos. Os acessórios sem fio da Sonic estão associados nos produtos e tornam os sons do dia a dia mais acessíveis”, completa Tavares. A Audtec possui, também, oficina e laboratório próprios.

 

Tecnologia

A visão também agradece

Os avanços tecnológicos têm beneficiado também o tratamento de problemas de visão. “As cirurgias apresentaram grande evolução nos últimos tempos, como a de retirada de grau de óculos, realizada totalmente a laser. A cirurgia de catarata também evoluiu, com lentes intraoculares bi e multifocais. Já as de retina são feitas cada vez mais em casos extremos”, cita o médico oftalmologista Gustavo Barbosa Abreu, membro do corpo clínico do Instituto Penido Burnier desde 1987. Junto de colaboradores brasileiros e estrangeiros, ele publicou recentemente a quarta edição do livro Ultra-Sonografia Ocular.

 

 

Tecnologia Além de reflexos positivos nos procedimentos, nos últimos anos, os avanços tecnológicos também permitiram o desenvolvimento de medicamentos. “Sobretudo devido ao aumento da expectativa de vida dos brasileiros, a utilização de drogas intraoculares tem sido de grande auxílio no combate à degeneração macular relacionada à idade”, comenta Abreu.

O especialista defende que a oftalmologia é importante em todas as fases da vida. Para as crianças, atua na identificação de patologias hereditárias e congênitas; entre os jovens adultos, na identificação de vícios de refração; e na terceira idade, no combate a doenças como glaucoma, catarata e degeneração macular senil.

Você sabia?

Vários são os fatores que levam à perda auditiva, como causas vasculares e as relacionadas ao diabetes, à hereditariedade, idade e exposição prolongada a ruídos no local de trabalho. Na fase inicial, é possível compensar os problemas de compreensão, mas essa habilidade piora a longo prazo se não for tratada.

Escrito por:

Vilma Gasques