Publicado 28 de Fevereiro de 2015 - 5h30

O setor público consolidado – governos federal, estaduais e municipais e empresas estatais – apresentou superávit primário de R$ 21,06 bilhões em janeiro, o equivalente a 4,88% do Produto Interno Bruto (PIB). O resultado é 5,73% maior que o superávit de R$ 19,92 bilhões em janeiro de 2014. O saldo positivo ocorre após o ano passado fechar com déficit de R$ 32,5 bilhões.Os dados foram divulgados ontem pelo Banco Central (BC). No acumulado de 12 meses, o resultado permanece deficitário em R$ 31,4 bilhões. O superávit primário é a economia de recursos para pagar os juros da dívida pública e reduzir o endividamento do governo no médio e longo prazos.No mês passado, o Governo Central – Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social – registrou superávit de R$ 10 bilhões. Os governos estaduais registraram saldo positivo de R$ 9,2 bilhões e os municipais, de R$ 1,3 bilhão. As empresas estatais, excluídos os grupos Petrobras e Eletrobras, registraram superávit primário de R$ 444 milhões.“O resultado não é ruim. É preciso lembrar que os ajustes fiscais que adotamos ainda não estão sendo observados nos números de janeiro em termos práticos. Esses impactos ainda serão incorporados nos próximos meses”, explicou o chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel,Maciel. Segundo ele, os impactos serão graduais, mas já deverão refletir no resultado primário em fevereiro. O conjunto de ações anunciadas visa a fazer com que o setor público cumpra a meta de superávit primário estabelecida para 2015, que é 1,2% do PIB. Em 12 meses, o déficit nominal alcança R$ 330,4 bilhões.Juros

A despesa com os juros que incidem sobre a dívida pública, que em janeiro somou R$ 18 bilhões, foi a menor para o mês desde 2010. Maciel reafirmou que as operações de swap cambial feitas pela instituição foram o principal fator de influência.Os leilões de swap são vendas de dólares no mercado futuro que, segundo o BC, tiveram resultado favorável de R$ 10,8 bilhões em janeiro. Em função disso, houve superávit nominal – formado pelo resultado primário mais as despesas com juros – de R$ 3,04 bilhões. É a primeira vez que o resultado nominal fica positivo desde janeiro de 2013.Maciel frisou que, embora as operações de swap possam influir no resultado fiscal, o objetivo primordial é reduzir a volatilidade do mercado de câmbio. No fim de 2014, a autoridade monetária informou a decisão de estender até 31 de março deste ano o programa de leilões de swap, adotado desde agosto de 2013. O programa ajuda a conter a alta do dólar. (Da Agência Brasil)