Publicado 28 de Fevereiro de 2015 - 19h05

A Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (OSMC) retomou os trabalhos em 2015 a todo vapor, entrando em estúdio para a gravação dos dois CDs que serão lançados este ano, depois de um hiato de 10 anos sem registro fonográfico de seu trabalho. “O lançamento dos CDs integra o projeto de celebração dos 85 anos da Sinfônica, completados este ano”, informa o diretor artístico e regente titular, Victor Hugo Toro. “Um dos CDs, como é natural, será de árias de óperas do maestro campineiro Antônio Carlos Gomes. O segundo é dos Concertos Cariocas do maestro Radamés Gnattali, que tem um estilo único que mistura jazz, música popular e clássica”, diz Toro.

“Foi uma experiência cansativa, já que é preciso repetir várias vezes a mesma peça ou trechos, mas muito interessante”, afirma o maestro. As gravações, realizadas num estúdio do polo cinematográfico de Paulínia, duraram duas semanas e terminaram na sexta-feira.

Na temporada 2014, a Orquestra incluiu no programa a execução do Concerto Carioca número 3, tocando com o grupo Quatro a Zero. “O resultado foi tão satisfatório que, após o último concerto dissemos: ‘temos que gravar’" , conta Toro.

O músico Eduardo Lobo (guitarra, violão, viola e cavaquinho), do grupo Quatro a Zero, se encarregou de revisar os concertos do maestro carioca para formação orquestral. “O Concerto n 1 é para piano e violão elétrico. O n 2, mais sofisticado, para trio de baixo, bateria e piano. O n 3 é para sexteto, com dois pianos, violão elétrico, baixo, bateria e acordeom; e o último é um samba, que contou com a participação de 12 percussionistas e cinco saxofonistas, além da Orquestra”, explica Toro.

Na gravação dos Concertos Cariocas a base musical ficou a cargo do Quatro a Zero. No n 2, escrito para trio, participaram o baixista e o baterista do grupo, Danilo Penteado e Lucas Casácio, tendo ao piano Hércules Gomes, que já integrou o grupo, que atualmente conta com Daniel Muller nos teclados. “No n 1, os solos couberam ao guitarrista Eduardo Lobo e ao pianista Rafael dos Santos”, diz o diretor administrativo da OSMC, Rodrigo Morte. “E no n 3, para sexteto, além do Quatro a Zero, participaram Rafael dos Santos como segundo piano e o paulistano Guilherme Ribeiro no acordeom”, adianta. “Radamés Gnattali tem uma escrita sofisticada e um repertório um tanto esquecido que vale a pena resgatar”, afirma Toro.

Segundo Rodrigo, ainda não há data definida para o lançamento dos CDs. “Será ao longo do ano. Ainda tem todo o processo de edição, mixagem e masterização. No CD de peças de Carlos Gomes, a orquestra gravou a base, para a solista depois colocar a voz. O maestro Toro ainda vai decidir se será apenas uma ou mais solistas, já que são árias de diferentes óperas”, diz Morte.

Os álbuns estão sendo custeados pela Prefeitura de Campinas, recurso previsto em dotação orçamentária conforma divulgado no Diário Oficial do Município. O custo de gravação, edição, mixagem e masterização foi de R$ 75 mil.

Abertura da temporada

Na próxima semana, os músicos iniciam os ensaios para o concerto de abertura da temporada 2015, dias 14 e 15 de março no Teatro Municipal José de Castro Mendes. No programa, uma peça de Almeida Prado (1943-2010) e a Sinfonia n 2 de Gustav Mahler (1860-1911). “Será a primeira vez que a Sinfônica de Campinas executa essa peça de Mahler, uma obra importante e executada por praticamente todas as orquestras de grande porte. É um desafio, que vai abrir a temporada em grande estilo”, afirma o maestro Victor Hugo Toro. O concerto terá ainda duas solistas — a soprano Flávia Fernandes e a contralto argentina Adriana Mastrangelo — e três corais. (DM/AAN)