Publicado 27 de Fevereiro de 2015 - 20h20

Por willians Menani

A namorada da vítima disse, na delegacia, que Domingues sofria de esquizofrenia

Arquivo pessoal

A namorada da vítima disse, na delegacia, que Domingues sofria de esquizofrenia

Guilherme da Silva Domingues, de 20 anos, foi morto com cinco tiros disparados por um policial militar, 36, em Araçatuba (SP). O crime aconteceu na noite de desta quinta-feira (26), na Zona Sul da cidade, em frente à casa do policial.

 

Em depoimento, o PM disse que agiu em legítima defesa, pois o rapaz teria tentado esfaqueá-lo. Ele afirmou que solicitou que a vítima soltasse a faca, o que não ocorreu e o obrigou a atirar. Ele foi liberado após prestar os esclarecimentos.

 

A namorada da vítima disse, na delegacia, que Domingues sofria de esquizofrenia, síndrome do pânico e transtorno bipolar. Segundo ela, o namorado afirmava que era perseguido por policiais militares.

Os PMS que atenderam a ocorrência, disseram que Domingues tinha invadido a casa de outro policial momentos antes de ser baleado. Em 2013, ele também já havia ameaçado o policial que efetuou os disparos.

Escrito por:

willians Menani