Publicado 25 de Fevereiro de 2015 - 7h00

Por Delma Medeiros

Cena de 'A Vida Começa pela Memória': duas apresentações em Campinas

Suane Melo/Divulgação

Cena de 'A Vida Começa pela Memória': duas apresentações em Campinas

A Cia. de Intérpretes Independentes, de Manaus, contemplada com o prêmio Funarte Petrobrás de Dança Klauss Vianna/2012, em turnê por várias cidades do País, chega agora a Campinas com o projeto 'Circulando com a Memória', que começa nesta quarta-feira (25) e prossegue até sexta (27). O projeto consiste em duas apresentações do espetáculo 'A Vida Começa pela Memória', além de atividades formativas. Todas as ações ocorrem na Casa do Lago da Unicamp com entrada franca.

O espetáculo, 13ª montagem do grupo, tem concepção cênica e direção de Ricardo Risuenho, que também atua, dividindo o palco com Ana Raphaella Costa. Segundo Risuenho, a proposta foi abordar a vida a partir da memória das pessoas.

 

“Buscamos pensar como as pessoas lidam com a questão da memória. Criamos um grupo numa rede social para receber informações das lembranças das pessoas e a partir daí concebemos o espetáculo”, explica. “Pensamos na relação que o homem estabelece com a memória a partir da estética do fotógrafo Jan Saudek. Ele é um dos artistas checos mais conhecidos e admirados no ocidente. Desenvolve um trabalho forte em relação à memória e emprega em suas imagens uma estética surrealista muito peculiar, que mistura sonho e realidade, transformando fotografias em pinturas.”

 

Risuenho conta que a Cia. de Intérpretes Independentes tem 11 anos, mas em 2011 sofreu um esvaziamento. Ele então retomou uma antiga parceria com Ana Raphaella, paraense como ele, para desenvolver o espetáculo.

 

O projeto 'Circulando com a Memória' compreende ainda oficina, palestra e mesa redonda, ministradas por Risuenho, sobre a pesquisa desenvolvida pela companhia sobre a movimentação dos membros superiores (MMS) e visa atingir, além do público em geral, alunos e docentes dos cursos de dança. Sobre sua pesquisa, Risuenho conta que era professor de graduação em dança na Universidade do Amazonas e começou a investigar como se dava a motivação para os movimentos dos membros superiores.

 

“Levei essa investigação para dentro da companhia para ver na prática as possibilidades que os membros superiores tinham de movimento e percebi que já seguia por esta linha nos meus trabalhos. Notei também que era necessário uma preparação física específica para os membros superiores”, aponta. Segundo ele, como sua companhia usava muito esses membros, carecia de uma técnica que abarcasse isso. “Ainda estamos em processo de aperfeiçoamento. A pesquisa continua. O foco agora é identificar um padrão de movimentos característicos da companhia. Ver se o público os identifica.” A pesquisa sobre o MMS conferiu à companhia uma linguagem estética e uma técnica de dança contemporânea específicas.

AGENDE-SE

Nesta quarta-feira (25), às 14h: Oficina Técnica de Movimentos dos Membros Superiores (MMS); às 16h15, palestra 'No Volver dos Braços da Criação' - reflexões sobre os processos de criação e a pesquisa de movimento da Cia. de Intérpretes Independentes, seguida da mesa-redonda Processos de Criação: dança x cenografia, iluminação e figurino. Todos com Ricardo Risuenho.

 

Quinta-feira (26), às 18h30; e sexta (27), às 12h30: espetáculo 'A Vida Começa pela Memória'

Onde: na Casa do Lago (Rua Érico Veríssimo, 1.011, Unicamp, Barão Geraldo, fone: 3521-7017)

Quanto: de graça

 

Escrito por:

Delma Medeiros