Publicado 27 de Fevereiro de 2015 - 5h00

O ato (ou efeito) de observar é “observação”, o de apreender é “apreensão” e o de permitir é “permissão”. Atire a primeira pedra quem nunca ficou em dúvida quanto à grafia dessas palavras e de outras afins. Como acabamos de ver, as terminações “ção”, “são” e “ssão”, que se leem da mesma maneira, aparecem em palavras nas quais se encontra a ideia do “ato (ou efeito) de”. A pedra no sapato aparece na hora de grafar essas terminações.

Há algumas “receitas” para que se evite o erro na grafia dessas terminações, mas elas talvez não sejam lá muito práticas. Em geral, a leitura frequente e atenta nos ajuda a resolver os casos mais constantes. Quem lê atenta e assiduamente memoriza a grafia de palavras como “propensão”, “contenção”, “transgressão” etc.

 

Vamos aproveitar a ocasião para estudar alguns casos em que a nossa grafia é “racional” e outros em que ela é pouco ou nada “racional”. Vamos começar pelo primeiro grupo. Como se chama o trabalhador que opera elevadores em edifícios comerciais?

 

Esse profissional não é chamado de “elevadorista", é? Em alguns lugares do Brasil, ele é chamado de “cabineiro”, mas em geral o termo que se usa é “ascensorista”. O mais interessante é que pouca gente no Brasil sabe o que é um ascensor, já que esse termo, comum em Portugal, por aqui é um ilustre desconhecido. No Brasil, o termo usado é “elevador”. 

 

Onde é que entra “racionalidade” na história do ascensor? Ela entra na grafia da família: “ascender”, “ascensor”, “ascensorista”, “ascensional” e “ascensão” pertencem à mesma família. Grafamos “ascensorista” com “sc” no começo e “s” depois do “n”, assim como grafamos a família toda com “sc” no começo e “s” depois do “n”, a começar por “ascensão”, que muitas vezes se vê grafada com um indevido “ç” depois do “n”. Guarde bem: “ascensão”, com “s” na última sílaba. 

 

Já que falamos em família de palavras, convém lembrar a que é formada pelos substantivos relativos aos verbos derivados de “ter”: “obtenção”, “contenção”, “manutenção”, “detenção”, “retenção”, “abstenção”. Como se vê, o grupo todo termina em “-ção” (com “ç”).

 

Outro caso “racional” que se pode citar é o de palavras como “audacioso”, “tendencioso”, “ganancioso”, “malicioso”, “delicioso”, “minucioso”, “silencioso”: como se vê, todas terminam em “-cioso”, com “c” antes do “i”. Onde está a “racionalidade” desse grupo de adjetivos? Está no fato de que todas elas têm esse “c” antes do “i” porque derivam de substantivos em que já existe o “c” (“audácia”, “tendência”, “ganância”, “malícia”, “delícia”, “minúcia” e “silêncio”, respectivamente).

 

Pois é justamente aí que mora o perigo. Como a maior parte das palavras que terminam em “ioso” apresentam o “c” antes desse grupo de letras, o piloto automático pode nos fazer errar a grafia de palavras como “ansioso”, “pretensioso”, “despretensioso”, por exemplo, Essas palavras são grafadas com “s”, porque derivam, respectivamente, de “ânsia” e “pretensão”, que se escrevem com “s”.

 

É sempre bom (re)lembrar que a terminação latina “-oso” (grafada com “s”) indica “abundância”, “posse plena”. “Ansioso”, por exemplo, significa “cheio de ânsia”, “tomado pela ânsia”.

 

Agora vamos para o outro lado, o da turma “irracional” (no que se refere à grafia). Qual é o substantivo que designa o ato de estender(-se)? Ai, ai, ai... “Estender” se grafa com “s” na primeira sílaba, mas no ato de estender, que é “extensão”, troca-se esse “s” por “x”. Não é por acaso que, em “estender”, o dicionário “Houaiss” faz a seguinte observação: “A grafia oficial desta palavra exige o s, em confronto com o étimo latino, que é com x, o qual, no entanto, foi mantido em extensão, extensivo, extenso etc.". Como o caro leitor certamente sabe, o “étimo” diz respeito à origem das palavras.

 

Por fim, um caso que talvez mereça cuidado especial: “estendido”. Temos aí o particípio de “estender”, verbo cujas flexões (todas) são grafadas com “s”, já que o infinitivo se grafa com “s”. Para não esquecer: “extensão” se escreve com “x”, mas “estendido” e todas as flexões se grafam com “s”.

 

Outro caso é o da dupla “discreto/discrição”. Esse cuidado obviamente se estende ao par “indiscreto/indiscrição”. Como se vê, o “e” dos adjetivos “discreto” e “indiscreto” dá lugar ao “i” nos substantivos “discrição” e “indiscrição”.