Publicado 26 de Fevereiro de 2015 - 9h39

Por France Press

Caneta feita do pinheiro milagroso da cidade de Rikuzentakata custa cerca de 3.850 euros

France Press

Caneta feita do pinheiro milagroso da cidade de Rikuzentakata custa cerca de 3.850 euros

A prestigiada marca alemã Montblanc venderá no Japão por 3.850 euros cada uma das 113 canetas-tinteiro de uma série limitada fabricada com madeira do "pinheiro milagroso" de Rikuzentakata, uma das cidades mais atingidas pelo terremoto e tsunami de 11 de março de 2011 no arquipélago.

Este objeto, fabricado na Alemanha, carrega a inscrição "Rikuzentakata 11/03/2011" e sairá à venda no dia do aniversário da catástrofe que deixou mais de 18.000 mortos e provocou o acidente nuclear de Fukushima.

"É certo que a Europa está longe de Tohoku (nordeste do Japão), mas nossos corações estão próximos", disse Jérôme Lambert, presidente da Montblanc International, em uma coletiva de imprensa na quarta-feira em Tóquio.

O preço de cada caneta tinteiro é de 520.000 ienes (mais de 3.850 euros). Um quinto da soma será entregue a Rikuzentakata.

Uma das canetas foi oferecida a esta cidade que se tornou conhecida por seu "pinheiro milagroso", o único de uma floresta de 70.000 árvores que ficou de pé no dia 11 de março de 2011 após a passagem do terrível tsunami no litoral desta cidade.

No entanto, a árvore não sobreviveu porque ficou muito danificada pela água salgada e foi substituída por uma réplica artificial em memória e símbolo da cidade.

Esta cidade tomou a iniciativa de consultar a Montblanc sobre a possibilidade de criar uma caneta-tinteiro com madeira deste pinheiro, em memória da tragédia.

Os 113 exemplares foram elaborados com esta madeira e têm uma forma parecida com a da famosa gama Meisterstück da Montblanc.

Além de seus modelos clássicos, a Montblanc é especialista em luxuosas séries limitadas comemorativas, como a dos grandes escritores.

Estes objetos, muito apreciados por colecionadores do mundo inteiro, podem multiplicar o preço de venda inicial várias vezes nos leilões.

Escrito por:

France Press