Publicado 25 de Fevereiro de 2015 - 16h27

Por France Press

Revista Charlie Hebdo retorna às bancas de forma definitiva na França

France Press

Revista Charlie Hebdo retorna às bancas de forma definitiva na França

"Voltamos!". Com essas palavras - e uma charge retratando o Papa, um jihadista e a líder de extrema-direita Marine Le Pen como um bando de cães raivosos -, o jornal satírico Charlie Hebdo marcou seu retorno nesta quarta-feira às bancas.

Os integrantes do jornal se isolaram por uma "questão de sobrevivência", uma semana após o atentado ocorrido na redação, em 7 de janeiro. Na ocasião, 12 pessoas foram mortas, inclusive alguns dos cartunistas mais amados na França.

"Precisávamos de um tempo para descansar... Houve quem precisasse voltar a trabalhar normalmente, como eu, e quem quisesse estender esse período", declarou Gerard Biard, agora editor-chefe.

"Tínhamos nos compremetido a voltar no dia 25 de fevereiro, para retomar as edições semanais".

O Charlie Hebdo tem um longo histórico de controvérsias judiciais ao satirizar toda sorte de figuras políticas e religiosas, e a nova edição de 16 páginas não é exceção à regra.

O presidente Nicolas Sarkozy, contestado por viajar ao exterior e cobrar altos valores como conferencista, foi apenas uma das vítimas - retratado em um palanque, com os pés enfiados numa montanha de dinheiro que ganhou desenho em forma de escada.

 

Agradecimento pelo poio 

A edição também lançou um olhar sobre o desemprego na França; católicos e a aversão ao Gleeden, sítio na internet que incentiva relações extraconjugais; Le Pen e os jihadistas.

Também foi publicada uma entrevista com Yanis Varoufakis, ministro da Economia da Grécia, que tem um perfil antiausteridade.

"Na Idade Média, 'médicos' receitavam sangrias, que pioravam a saúde do paciente, e aí o 'médico' aplicava mais sangrias", disse Varoufakis a certa altura.

"Esse é o tipo de 'argumento' que ilustra perfeitamente a situação na Europa: quanto maior o fracasso da política de austeridade, mais ela é receitada".

O periódico ainda publicou uma comovente mensagem de agradecimento aos apoios que recebeu após o ataque realizado pelos irmãos Kouachi. Eles disseram que estavam se vingando pelas ilustrações do profeta Maomé na semana anterior -- o que é considerado uma blasfêmia no islamismo.

"Agradecemos às crianças do jardim-de-infância que se juntaram e nos fizeram uma doação. Agradecemos ao menino que tirou cinco euros de sua carteira e nos enviou", está escrito no texto.

Os ataques extremistas no mês passado acarretaram na morte de 17 pessoas, incluindo quatro judeus alvejados num supermercado kosher e uma policial.

A "edição dos sobreviventes", que começou a circular no dia 14 de janeiro, teve uma procura acima da média graças às pessoas que saíram de madrugada para garantir um exemplar nas bancas de jornal de todo o país.

A edição que circula neste 25/2 tem tiragem de 2,5 milhões de exemplares, com lançamento estendido aos Estados Unidos. Nesta quarta-feira, porém, as vendas do Charlie Hebdo foram bem mais modestas.

Escrito por:

France Press