Publicado 25 de Fevereiro de 2015 - 20h30

Por Paulo Santana

O zagueiro Tiago Alves afirma que não existe qualquer rivalidade com o também campineiro Red Bull, pois trata-se de uma equipe nova

Leandro Ferreira/AAN

O zagueiro Tiago Alves afirma que não existe qualquer rivalidade com o também campineiro Red Bull, pois trata-se de uma equipe nova

Buscando valorizar ao máximo o jogo com o Red Bull, sábado (28), às 21h, pela 7ª rodada do Campeonato Paulista, a Ponte Preta vem chamando o desafio de "novo dérbi campineiro". Trata-se de um confronto inédito entre clubes que mandam seus jogos no mesmo estádio — Moisés Lucarelli — e têm uma diferença de 107 anos na fundação.

 

Se os dirigentes incentivam a rivalidade, os atletas preferem valorizar questões técnicas e históricas. "Não tive o privilégio de jogar um clássico com o Guarani, mas percebo que não há o mesmo peso", diz o zagueiro Tiago Alves. "Apesar de ser da cidade, não existe qualquer rivalidade com o Red Bull. Até porque é um time que está chegando agora. Para nós, vale os mesmos três pontos de qualquer outro jogo", ressalta o jogador.

 

Para o volante Bruno Silva, uma vitória servirá apenas para deixar a Ponte em situação ainda mais confortável no Grupo B. "Creio num divisor de águas. Vencendo, vamos ficar numa situação muito boa em termos de classificação", avalia. "É só mais um jogo. E a gente tem que pensar na vitória para garantir a classificação o mais rápido possível", completa o volante Josimar.

 

O técnico Guto Ferreira destacou que o torcedor poderá fazer a diferença simplesmente pelo fato de o adversário jogar no mesmo local e conhecer os "atalhos" do campo. "Até por jogar em casa também, o Red Bull vai ser um oponente contra o qual nossa torcida tem que fazer a diferença", pede.

 

Em 4º lugar do Grupo A com oito pontos, o adversário evita usar o termo rivalidade. "Será especial porque mandamos nossos jogos no mesmo estádio. E vamos trabalhar forte para conquistar um resultado positivo", resume o campineiro Gustavo Scarpa.

 

"Eles estão fazendo uma grande competição. De nossa parte, temos que ter o máximo de atenção porque precisamos de uma sequência de vitórias", afirma o lateral-direito Jonas.

 

Por enquanto, o fator campo vem ajudando mais a Macaca do que o Toro Loko. Em três jogos em casa, a Ponte venceu dois e perdeu um, garantindo 67% de aproveitamento. Já o "inquilino" obteve dois empates e perdeu uma vez, conquistando apenas 22% dos pontos como mandante.

INGRESSOS

 

O lote promocional com 2 mil ingressos a R$ 20,00 começa a ser vendido nesta quinta-feira (26). Além das bilheterias do Majestoso que estarão abertas, nesta quinta e na sexta-feira (27), das 11h às 19h, as entradas podem ser adquiridas nas lojas Baby Sport (Centro e Campinas Shopping) e na unidade social do Jardim das Paineiras e pela internet no site www.ingressofacil.com.br.

 

COPA DO BRASIL

 

O goleiro João Carlos, que foi inscrito no lugar de Marcelo Lomba, vem se preparando para ser titular na partida com o Vilhena, terça-feira (3), em Vilhena, no Estádio Portal da Amazônia, pela Copa do Brasil.

MISTÃO

 

Neste jogo, a Macaca deverá poupar os titulares com maior desgaste físico e levará um time alternativo para Rondônia. Se vencer por dois ou mais gols de diferença, elimina o jogo da volta, que está previsto para a primeira semana de abril.

FIFA

 

O SEV Hortolândia, que comprou o volante Fernando Bob junto ao Fluminense e o reemprestou para a Ponte, está sob investigação da Fifa. O problema está relacionado com a transferência do zagueiro Cleber, que também passou pela Macaca, do Corinthians para o Hamburgo, da Alemanha. A entidade desconfia que o clube possa ter servido como "laranja" na venda.

Escrito por:

Paulo Santana