Publicado 25 de Fevereiro de 2015 - 12h38

Material desconhecido foi queimado em canteiro localizado na saída da universidade; boletim de ocorrência foi registrado

Dominique Torquato/ AAN

Material desconhecido foi queimado em canteiro localizado na saída da universidade; boletim de ocorrência foi registrado

Cerca de 30 alunos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) vandalizaram uma rotatória que foi cercada pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), na área externa da faculdade, na madrugada desta terça-feira (24).

 

O ato foi uma represália contra o fechamento do espaço, usado para encontros de estudantes pós-festas. O balão fica próximo à portaria 2 da PUC. A rotatória é uma praça pública, mantida pela universidade, segundo nota oficial da PUC.

 

Segundo a PUC, os estudantes “estariam indignados pela obstrução do balão”, que era usado para eventos de diretórios acadêmicos e atléticas da universidade.

 

Uma sindicância foi aberta na universidade para apurar o caso e os considerados responsáveis serão submetidos a penalidades previstas no Estatuto e Regimento Geral da Instituição.

O boletim de ocorrência, registrado por um dos vigilantes da PUC no 4º Distrito Policial, diz que foram queimados 80 metros de tela que cercavam uma rotatória da PUC, quebrados 10 cavaletes e danificados 60 vergalhões de aço de uma polegada usados para cercar o espaço.

 

 

 

Apenas um aluno foi identificado. O caso ocorreu às 0h45 de terça-feira, de acordo com o B.O., mas foi registrado apenas na madrugada desta quarta-feira (25).

O Correio conversou com o estudante identificado. Ele afirmou que seu nome consta no registro porque foi falar com um dos guardas da faculdade quando a confusão começou. Ele afirmou que não se envolveu na confusão, apenas conversava com amigos. “Eu disse meu nome e disse que ia tentar falar com o pessoal para eles pararem de danificar a grade. Tentei amenizar a situação. Os guardas sabem que não fiz nada”, disse.

O jovem afirmou que o grupo vandalizou o espaço depois de uma festa de “boas-vindas” aos calouros de 2015 no Campinas Hall. Os estudantes ficaram por meia hora na rotatória e depois se dispersaram.

 

O local é conhecido por reunir alunos depois de festas. “O que posso garantir é que nenhum dos estudantes que queimaram a tela era de cursos de comunicação”, falou o jovem.

Outro aluno que presenciou a ação disse que o grupo que foi ao local era grande, mas que poucos foram responsáveis pela depredação. “A maioria ficou sentada no meio-fio da calçada, conversando. A bagunça foi coisa de dois ou três”.

Em nota oficial, a PUC informou que os envolvidos “foram orientados pela segurança que o ato caracterizava-se como vandalismo”. O texto diz ainda que a Polícia Militar foi acionada e compareceu ao local, porém os alunos já haviam ido embora. A rotatória é uma praça pública, mantida pela universidade.