Publicado 15 de Outubro de 2014 - 17h16

Por Bruno Bacchetti

Bruno Bacchetti

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Fotos: Arquivo

Por unanimidade, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou os embargos de declaração e manteve o afastamento do prefeito Diego De Nadai (PSDB) e de seu vice, Seme Calil Canfour (PSB), cassados em maio e mantidos no cargo por força de liminar. Além do afastamento, os dois estão inelegíveis por oito anos. Após a publicação do acórdão no Diário Oficial, que deve acontecer nos próximos dias, o presidente da Câmara Municipal, Paulo Sérgio Vieira Neves, o Paulo Chocolate (PSC), assume o Executivo interinamente até a marcação de novas eleições. Diego adiantou que vai apresentar recurso extraordinário ao Supremo Tribunal Federal (STF), apontando matéria de cunho constitucional. No entanto, a chance de reverter a decisão é mínima.

Diego De Nadai e Seme Calil Canfour foram acusados de fazer "caixa 2" nas eleições municipais de 2012. Segundo informações do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), durante a campanha eleitoral, Diego e o vice mandaram confeccionar 75 mil exemplares de uma revista, denominada "Ações e Conquistas - Diego e o Querido Dr. Seme Sempre Juntos numa eterna aliança - Diego 45" , e declarado na prestação de contas que o material foi impresso ao preço unitário de R$ 2,00 - o que representaria um valor total de R$ 150 mil. No entanto, posteriormente, a gráfica teria apresentado quatro notas fiscais com valores diferentes: de R$ 4,66 por exemplar, subindo para R$ 350 mil o valor da despesa. A denúncia à Justiça foi feita pela coligação de Antonio Mentor (PT), que disputou a Prefeitura com Diego, mas que ficou em terceiro lugar nas eleições.

Com a cassação de Diego, em maio, Paulo Chocolate assumiu a Prefeitura interinamente no início de julho. A demora se deu pelo recesso da Justiça, o que atrasou a publicação do acórdão. Chocolate promoveu mudanças na administração e trocou parte do secretariado, mas ficou somente três semanas no cargo. No final de julho, o ministro Gilmar Mendes - presidente interino do TSE na ocasião - concedeu liminar que permitiu ao tucano retornar ao cargo até o julgamento dos embargos de declaração. A constante troca de prefeitos e a insegurança política pela qual passa a cidade travaram investimentos e deixaram Americana em grande crise financeira.

Em nota, Diego De Nadai negou a prática de "caixa 2" durante a campanha eleitoral de 2012, criticou o PT, responsável pela denúncia à Justiça, e prometeu recorrer ao STF. “O PT só sabe ganhar no tapetão. E agora, por enquanto, o tapetão é deles. Mas daqui a 10 dias, o Brasil será libertado dessa ditadura. Não há, em todo o processo, nenhuma prova material de "caixa 2". Se saio, é por causa de uma revista que apresentava minhas mais de 200 obras realizadas em quatro anos de governo. Mas estou recorrendo ao Supremo Tribunal Federal para que se faça justiça”, afirmou Diego. A assessoria de imprensa de Paulo Chocolate informou que ele não vai se pronunciar antes de ser notificado pela Justiça.

Escrito por:

Bruno Bacchetti