Publicado 15 de Outubro de 2014 - 17h01

Por Maria Teresa Costa

Em racionamento desde julho, Nova Odessa inicia entre hoje e amanhã a retirada do volume morto da represa Recanto 1, o único dos três reservatórios do sistema Recanto que abastecem a cidade que ainda tem água. O nível da represa está a apenas 30 centímetros da entrada da área de bombeamento. Para poder usar o volume morto, uma bomb de sucção foi colocada em um barco no meio do reservatório e fará a captação para evitar o agravamento da crise.

O presidente da Companhia de Desenvolvimento de Nova Odessa, Ricardo Ongaro, estima que o volume morto consiga abastecer a cidade por 50 dias, mantido o racionamento. A cidade tem seis reservatórios, todos com baixo volume de armazenamento.

Nova Odessa foi divida em parte alta e parte baixa, e cada uma delas temcorte no fornecimento das 21h às 10h, em dias alternados. O rodízio, disse Ongaro, permite uma melhor distribuição e garantir que as pessoas que moram nas partes mais alta recebam a água com mais rapidez quando os registros da rede forem abertos.

Os reservatórios estão operando com apenas 16% da capacidade.Nova Odessa perde 34% da água tratada no caminho até a torneira do consumidor e a meta é reduzir para 20%. A cidade trata 15 milhões de metros cúbicos de água por dia (m3/d). Produtores rurais autorizaram a Prefeitura em agosto a captar água de um córrego que fica em uma área particular da cidade, operação que está sendo feita com uma bomba instalada lno local e que fica ligada durante 20 horas por dia e capta 15 litros por segundo. Neste final de semana começou a funcionar uma bomba instalada no local que ficará ligada 20h por dia e com capacidade para captar 15 litros por segundo. A água do córrego vinha sendo utilizada apenas na lavoura, mas houve o aval dos agricultores para que seja também direcionada ao abastecimento urbano.

Escrito por:

Maria Teresa Costa