Publicado 14 de Outubro de 2014 - 17h43

Por Sarah Brito Moretto

Foto: César

Sarah Brito

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Sem água desde sexta-feira e com a temperatura chegando a 37ºC em Campinas, os moradores do bairro Jardim Santos Antônio, na região dos DICs, se revoltaram ontem e fizeram um protesto contra a situação que estão vivendo. Eles fecharam a avenida Celso Delledonni, uma das principais que dá acesso ao bairro, durante a tarde de ontem, co m uma espécie de barricada. Os protestantes também queimaram pneus. A Guarda Municipal e a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (EMDEC) enviaram viaturas ao local. Por volta de 16h, o protesto foi contido. Um dos manifestantes desacatou um policial militar e foi encaminhado para a Segunda Delegacia Seccional. Ele foi liberado em seguida.

Os moradores do bairro se exaltaram com uma vizinha durante o protesto, que ainda tinha água em casa. O Correio Popular presenciou a cena. Os manifestantes acuaram a mulher em casa, com gritos para que ela parasse de esbanjar a água que ninguém tinha. Uma das manifestantes chegou a pegar um bloco de terra para jogar nela, mas foi contida pelos outros protestantes. “A água é minha, eu que pago”, se defendia a vizinha. A reportagem não conseguiu contato com a vizinha após o ocorrido.

“Estamos sem água desde sexta-feira, pedimos água para quem mora aqui na avenida e quem tinha, mas ninguém cedeu. Tenho quatro filhos e eles acordam e dormem com sede. A gente nada e algumas pessoas esbanjando”, contou a ajudante de cozinha Márcia Regina Leandro, ajudante de cozinha. Segundo ela, uma vizinha chegou a fornecer um pouco de água, da caixa d´água, mas já acabou.

"Necessito de água, tenho diabetes. É uma esculhambação. Tenho ido em buscar em mina”, afirmou o aposentado Cícero Manuel de Sousa, de 74 anos. A Sociedade de Abastecimento de Água e Esgoto (Sanasa) de Campinas informou, por meio de assessoria de imprensa, que cerca de 20% da população continua sem água na cidade. Os bairros mais afetados são o Jardim Santo Antônio e os DICs, que são abastecidos pelo Rio Capivari.

Escrito por:

Sarah Brito Moretto