Publicado 13 de Outubro de 2014 - 12h40

Por Rogério Verzignasse

Fotos marcadas para o começo da tarde na academia. O editor, se precisar, pode usar uma de arquivo do entrevsitado Agostinho Tavolaro, pois ele não estará lá hoje.

Cultura || Apoio privado

Sociedade civil leva jovens à

Academia Campinense de Letras

Empresas compartillham despesas e financiam evento para grupo de alunos do Ensino Fundamental

Projeto incentiva

hábito da leitura

entre os estudantes

Rogério Verzignasse

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

A Academia Campinense de Letras (ACL), fundada há 58 anos, sempre foi reduto de literatos, artistas, jornalistas, pensadores. Gente experiente _ a maioria de cabelos brancos _ se reúne em sessões regulares para debater cultura e conhecimento. Mas o cenário promete ser diferente hoje. Durante toda a manhã, o auditório, a sala de reuniões e a galeria de arte estarão tomadas por 48 alunos de uma escola municipal de Ensino Fundamental. E o mais interessante é que o evento é totalmente financiado por empresas privadas da cidade, que assumem os gastos como o transporte e alimentação da galerinha. A direção da academia está entusiasmada: a sociedade civil se envolve em uma antigo projeto da casa: trazer gente jovem para as reuniões.

A visita agendada da EMEF Humberto de Alencar Castelo Branco, do Jardim Nova Europa, tem programação prontinha. A criançada será dividida em três turmas, que vão se alternando pelos espaços onde acontecem as atividades. Claro, os estudantes vão aprender quem são e o que fazem os acadêmicos. Também vão participar de rodas de contação de histórias e de visitas a exposições artísticas . Depois do lanche, a turma vai voltar para casa levando livros infantis de presente.

O presidente da casa, o advogado Agostinho Tófolo Tavolaro, conta que as visitas à academia foram planejadas há anos, com o objetivo de desepertar nos pequenos o interesse pela leitura. O projeto também sempre teve o propósito de apresentar a ACL aos mais jovens. “A gente quis mostrar que existia esse lugar especial, que Campinas estava cheia de talentos”, fala. “O drama é que nunca tivemos dinheiro em caixa. As visitas esporádicas sempre foram bancadas pelos próprios acadêmicos, ou por amigos da casa.”

Mas, neste ano, o evento ganha corpo. A Viação Princesa D’Oeste disponibilizou ônibus para trazer e levar as crianças, em horários agendados. O Mc Donald’s vai fornecer o lanche. A Gráfica Convites Premium produziu os crachás em cores diversas para distinguir equipes, além de cadernos para que a garotada anote suas impressões. Do grupo teatral Galhofas

Escrito por:

Rogério Verzignasse