Publicado 15 de Outubro de 2014 - 17h50

doses empório marinho

Rodrigo Zanotto/Especial para AAN

doses empório marinho

FOTOS: RODRIGO ZANOTTO/ESPECIAL PARA AAN

doses empório marinho

Não é preciso plebiscito, referendo ou qualquer outro trâmite político para sacar o tamanho da independência financeira e cultural do Parque Industrial. O bairro, necessariamente plano e ainda com poucos prédios, tem um charme próprio. Funciona à revelia do que rola na vizinhança e se dá ao luxo de receber “turistas” em busca de alguma de suas muitas preciosidades. Mas, como o assunto aqui é boteco, limito-me a dizer que o Parque só se compara ao Centro como reduto inconteste da boemia.

No início da semana passada, conheci outro pequeno grande estabelecimento do pedaço. Pequeno no espaço, nos preços e na estatura da simpática proprietária Marilza. A baixinha, no entanto, é porreta no serviço e tem feito de tudo para preservar a memória do falecido marido, cujo nome se vê de longe no letreiro da fachada. O Empório Marinho está bem ao lado do emblemático Bar do Mingo, outro ponto obrigatório do bairro. E, como tudo no Parque, ambos vivem em harmonia, cada qual com sua pretensão.

Marilza, junto da filha Bárbara e da funcionária Geise, faz tudo sem pressa, como se cozinhasse na própria casa. A vantagem é que os comes saem fresquinhos, como os croquetes que provei com satisfação garantida. Os lanches também têm feito sucesso, seja pra viagem ou pra devorar na larga calçada do bar. Aliás, o melhor do Empório Marinho é, justamente, poder beber (cerveja de litro a preço justo) ao ar livre neste que é um dos meus bairros preferidos.

Vacilo

Na coluna da semana passada (O Centro nunca decepciona), cometi uma tremenda injustiça ao não citar o nome do seu Antonio, um dos sócios do Reimar e queridíssimo pela freguesia. O Portuga merecia uma coluna só pra ele.

EMPÓRIO MARINHO

Avenida João Batista Morato do

Canto, 2.049, Parque Industrial. Aberto

de terça a sábado, das 9h às 20h; segunda,

a partir das 14h; e domingo, das 9h às 13h.