Publicado 12 de Outubro de 2014 - 5h30

Os motoristas que abastecem nos postos de combustíveis de Campinas estão novamente enfrentando a gangorra de preços - o litro chega a ter uma variação de até R$ 0,50 no caso da gasolina.

Levantamento feito pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) em 65 locais de abastecimento da cidade mostra que o maior valor comercializado é de R$ 3,097 e o menor, R$ 2,579.

Na região, Indaiatuba, Itatiba e Santa Bárbara são os municípios que apresentam as maiores variações no preço. O levantamento feito pela ANS foi realizado entre os dias 28 de setembro e 4 de outubro.

Em Campinas, a diferença chega a 20% e pode representar um gasto de até R$ 25 a mais para encher um tanque de 50 litros. A pesquisa foi realizada através da coleta de dados da agência em 11 cidades da região.

O agente escolar Fernando José Almeida, de 39 anos, admitiu não pesquisar preço -ele sempre abastece no mesmo posto. “É por uma questão de logística e costume mesmo. Não sou de procurar por preços mais baixos”, disse.

Ele abastecia na tarde de ontem no posto Hélio Valdivia, na Avenida Anchieta, - justamente o que praticava o preço mais alto da cidade. Porém, após divulgação pela ANS do valor de R$ 3,097 cobrado pelo litro, um frentista do local relatou que na quarta-feira o posto diminuiu o valor em R$ 0,10 centavos, e o preço caiu para R$ 2,997.

Preço não é tudo

Mas levar em consideração apenas a diferença no preço também pode não ser um bom negócio, segundo o engenheiro civil Júnior Boaventura, de 35 anos. Seus gastos com combustível somam R$ 300 por mês, e para tentar diminuir esse valor ele procurou um preço menor em outro posto.

“Encontrei um posto que vendia mais barato, mas acabei tendo problemas com o meu carro - e me custou R$ 2 mil para fazer uma limpeza no motor”.

Na região central de Campinas, os motoristas encontram preços que vão de R$ 2,599 a R$ 2,799. Quem circula por outras cidades da região também percebe uma diferença considerável nos valores. Em Indaiatuba, por exemplo, a pesquisa apontou uma variação de R$ 0,31 no litro da gasolina, vendido entre R$ 2,689 e R$ 2,899.

Já em Itatiba, dos 20 postos avaliados, a variação foi de R$ 0,39, com preço mínimo de R$ 2,599 e máximo de R$ 2,998. Em São Paulo, a variação nos preços da gasolina é de R$ 0,20.

Além do aceitável

Para o vice-presidente do Sindicato Comércio Varejista e Derivados de Petróleo de Campinas e Região (Recap), Emílio Martins, a diferença nos preços está “além do aceitável” para o mercado.

“Os consumidores precisam ficar atentos para preços que fogem da curva praticada pela maioria dos postos”, afirma, lembrando que não há uma lei que regulamente os valores do setor.

Para Martins, uma saída para o consumidor é manter o abastecimento do veículo em um único posto, para assim poder cobrar qualquer alteração no preço.

“As distribuidoras praticam preços diferenciados. Além disso, em determinadas regiões, também ocorrem ações que reduzem os preços para ganhar mercado”, explicou.