Publicado 13 de Outubro de 2014 - 5h30

Teve início no último sábado, nas regiões Norte, Noroeste e Sudoeste de Campinas, a Campanha de Vacinação Antirrábica. A ação, promovida pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), e que continua no próximo final de semana nas regiões o Sul e Leste, espera vacinar 80% da população de cães e gatos, sendo a primeira estimada em 111 mil, e a segunda em 10,8 mil. A vacinação de cães, realizada em 2013, não atingiu a meta do CCZ, que espera este ano maior adesão da população. O balanço dos dois primeiros dias só será divulgado pela Prefeitura no decorrer desta semana. A vacinação é imprescindível para que a raiva continue sob controle na cidade, de acordo com o veterinário Ricardo Conde Alvez Rodrigues, co-gerente do CCZ. “É a melhor forma de evitar a doença, que está controlada no município desde a década de 1980. Campinas não registra casos de raiva humana desde 1981. O último caso em cão ocorreu em 1982, e em gatos, em 1999”, afirmou o veterinário, frisando que, desde o final da década de 1990, o CCZ observa o ciclo aéreo da doença, e constatou que o gato, predador de morcegos, corre mais riscos de desenvolver a doença.Este ano, o CCZ registrou quatro casos em herbívoros e quatro em morcegos. Em 2013, foram detectados 13 casos em morcegos e mais sete em bovinos e equinos nos distritos de Sousas e Joaquim Egídio, após 10 anos sem incidência. Portanto, ressalta Rodrigues, que, apesar de a doença estar sob controle, é muito importante a participação na campanha. “Em 2013 não atingimos a meta entre os cães. É possível que as pessoas relaxem um pouco pela falta de ocorrências, mas não pode descuidar”, defendeu. Isso, porque a doença não tem cura e evolui, invariavelmente, para a morte. “O grande problema é que o vírus circula em morcegos, tanto na área urbana, quanto rural”, explicou. A partir dos três meses de idade, tanto cães quanto gatos, devem ser imunizados. Foi o que fez o auxiliar administrativo Geraldo de Souza Júnior, de 50 anos. “Desde o primeiro ano de vida eu trago ela para vacinar. É importante para a saúde dos animais e dos humanos”, avaliou Júnior, acompanhado da lhasa apso Ludy, de 4 anos. O CCZ orienta para que os animais sejam levados com guia e coleira, e os de grande porte, estejam com enforcador e sejam levados por um adulto, pois demandam maior força. Já os gatos devem ser transportados em caixas adequadas, porque podem ficar assustados e fugir. A listagem completa dos postos de vacinação pode ser obtida no site (www.campinas.sp.gov.br), na página de Saúde, e através do Serviço 156 da Prefeitura.