Publicado 15 de Outubro de 2014 - 5h00

38º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, cena, filme, 'Relato Selvagem'

Divulgação

38º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, cena, filme, 'Relato Selvagem'

O cartaz da 38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que começa nesta quarta-feira (15) e prossegue até o dia 29, traz desenho colorido, acentuado de vermelho e amarelo, tendo o perfil de um homem pintado de preto. Estas também são as cores presentes na vinheta de Amir Admoni e sonorização de André Abujamra. O homem é Pedro Almodóvar, homenageado com retrospectiva de 15 filmes e quem assina o cartaz. As cores também remetem à Espanha, o país foco deste ano com 42 filmes e exposição fotográfica.

 

Como ocorreu nos anos anteriores, só haverá filmes estrangeiros inéditos. Falando com a imprensa no lançamento do evento, a diretora Renata de Almeida afirmou que seria mais fácil e barato exibir filmes de outros festivais, “mas a função da Mostra é apresentar coisas novas”. Acentuou que o acesso aos filmes hoje se dá de muitas maneiras — diferentemente de quando a Mostra foi criada — razão a mais para se apostar no ineditismo.

 

Argumento

 

Apesar de afirmar que não foi proposital, Renata aceita o argumento de uma jornalista que sugere um tom iberoamericano à edição 2014. O argumento é convincente: ano da Espanha, homenagem a Almodóvar, filme argentino abrindo e mexicano/dominicano encerrando a Mostra, além de exposição de fotos do espanhol Luis Buñuel e exibição de três longas de Víctor Erice, considerado o

melhor cineasta da Espanha da atualidade.

 

Em princípio, Almodóvar não virá ao Brasil, pois passou por cirurgia e não pode fazer longas viagens. Mas, garante a diretora da Mostra, ele foi solícito e participou ativamente das ações que envolveram a homenagem. “Almodóvar sabe do carinho que os brasileiros têm por ele.”

 

Várias procedências

 

E, característica principal da Mostra, haverá filmes de procedências diversas. Cinematografias hegemônicas se juntam a filmes de países sem grande tradição, como Angola, Bósnia e Herzegovina, Líbano e República Dominicana, entre outros, num total de 350 produções — 50 delas brasileiras.

 

Entre as apresentações especiais, a atração é o primeiro curta do personagem Carlitos, Corrida de Automóveis para Meninos, com Charles Chaplin, que será exibido no Ibirapuera junto com O Circo, longa que dirigiu, escreveu, produziu e estrelou. A filha Geraldine Chaplin estará no encerramento, acompanhando a exibição de Dólares de Areia, de Laura Amélia Guzmán e Israel Cárdenas, o mais recente trabalho de que participa como atriz.

 

Badalados

 

E haverá alguns dos títulos mais badalados de 2014, como o vencedor da Palma de Ouro em Cannes, Winter Sleep, do turco Nuri Bilge Ceylan; e o Leão de Ouro em Veneza, Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência, do sueco Roy Andersson. Além deles, estarão As Noites Brancas do Carteiro, de Andrei Konchalovskiy, Leão de Prata em Veneza; Foxcatcher – Uma História Que Chocou o Mundo, de Bennet Miller, melhor direção em Cannes; e Do que vem Antes, de Lav Diaz, Leopardo de Ouro em Locarno.

Renata de Almeida acentua outra atração: a presença do cineasta chinês Jia Zhangke, que terá a exibição do documentário inédito Um Homem de Fenyang, de Walter Salles, e o lançamento do livro O Mundo de Jia Zhangke, editado em parceria com a Cosac Naify, escrito por Jean-Michel Frodon e organizado por ele e por Salles (também um dos convidados)

.

Outros convidados: o argentino Damián Szifrón (Relatos Selvagens), o francês Laurent Cantet (Retorno a Ítaca), o mexicano Guillermo Arriaga (Falando com os Deuses) e o romeno/francês Marin Karmitz, que participará de retrospectiva da produtora dele, a MK2. São 30 títulos dirigidos, produzidos e distribuídos por ele, como a Trilogia das Cores, de Krzysztof Kieslowski. Ele também receberá o Prêmio Humanidade.

Sesc

 

Pequena parte da Mostra chega a Campinas entre os dias 4 de novembro e 7 de dezembro como parte da itinerância por unidades do Sesc. Nove outras cidades do Interior receberão os filmes: Araraquara, Bauru, Piracicaba, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Santos, São Carlos, São José dos Campos e Sorocaba. 

 

A cerimônia de abertura da 3ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo será nesta quarta, às 20h, apenas para convidados, com a exibição do filme Relatos Selvagens, de Damián Szifrón, que integrou a seleção oficial de Cannes. Na Argentina, o filme bateu recorde de público com 2.537.192 espectadores em seis semanas. A trilha sonora é de Gustavo Santaolalla, ganhador de dois Oscar por O Segredo de Brokeback Mountain e Babel. O longa é o indicado pelo país platino para concorrer à vaga do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

 

 

Quinze filmes imperdíveis da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

- Relatos Selvagens, Damián Szifrón (Argentina)

 

- Winter Sleep, Nuri Bilge Ceylan (Turquia)

 

- Força Maior, Ruben Ostlund (Suécia)

 

- Jia Zhangke, um Homem de Fenyang, Walter Salles (Brasil)

 

- Acima das Nuvens, Olivier Assayas (França)

 

- Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência, Roy Andersson

(Suécia)

 

- As Bruxas de Zugarramurdi, Álex de la Iglesia (Espanha)

 

- Do que Vem Antes, Lav Diaz (Filipinas)

 

- Dois Dias, Uma Noite, Jean-Pierre Dardenne & Luc Dardenne

 

 

- A Gangue, Myroslav Slaboshpytskiy (Ucrânia)

 

- Leviathan, Andrey Zvyagintsev (Rússia)

 

- Sinfonia da Necrópole, Juliana Rojas (Brasil)

 

- P’tit Quinquin, Bruno Dumont (França)

 

- As Maravilhas, Alice Rohrwacher (Itália)

 

- A Pequena Casa, Yôji Yamada (Japão)

 

*O jornalista está em São Paulo a convite do festival