Publicado 12 de Outubro de 2014 - 14h20

As pessoas devem ficar atentas e procurar o oftalmologista diante de qualquer irritação nos olhos

Divulgação

As pessoas devem ficar atentas e procurar o oftalmologista diante de qualquer irritação nos olhos

No mundo todo as doenças alérgicas estão em ascensão. De acordo com a ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia), 30% dos brasileiros são alérgicos contra 20% da população há 10 anos atrás. Estudos mostram que seis em cada 10 portadores de alergia acabam desenvolvendo a doença nos olhos que pode inflamar a conjuntiva e a córnea, conforme a sensibilidade de cada pessoa.

Segundo o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, a alergia ocular em estágio inicial pode ser confundida com uma simples irritação. Os sintomas são olhos vermelhos, lacrimejamento e coceira. O especialista diz que a maioria dos casos pode ser curada com aplicação de compressas de água gelada.

Mas se os sintomas não desaparecem em dois dias é necessário consultar um oftalmologista para a prescrição de colírios. "Os olhos de crianças e adolescentes sofrem mais", afirma. Isso porque, o sistema imunológico mais ativo delas favorece alterações na pálpebra e córnea. Por isso, pode desencadear ou piorar o ceratocone.

O distúrbio, afina e deforma a córnea provocando astigmatismo, vício de refração que desfoca as imagens para perto e longe. O ceratocone atinge 200 mil brasileiros. Desses 30% não conseguem ter boa correção visual usando óculos, lente de contato ou um anel que é implantado na córnea para achatar seu formato. É este grupo que responde por 70% dos transplantes de córnea no Brasil.

AGRAVANTES

Queiroz Neto observa que neste ano a falta de chuvas somada ao início das queimadas nas últimas semanas aumentou a concentração de poluentes no ar e os riscos para os olhos. Resultado: Os diagnósticos de alergia e de piora do ceratocone cresceram no hospital. Para ele outros fatores que contribuem com este aumento são:

- A exposição aos conservantes e aromatizantes artificiais utilizados nos alimentos industrializados.

- O uso indiscriminado de anti-inflamatórios e antibióticos, principalmente entre crianças.

- A deficiência de vitamina D que provoca queda na imunidade.

CONTROLE

O oftalmologista afirma que o primeiro passo para manter o ceratocone sob controle é passar por exame oftalmológico anualmente. Adicionar à dieta alimentos ricos em ômega 3, como semente de linhaça. sardinha e salmão, mantém a lubrificação dos olhos e protege das agressões externas.

Queiroz Neto ressalta que os indicadores de doença latente são a troca rápida do grau dos óculos ou lentes de contato, enxergar halos noturnos, fotofobia, aumento da fadiga ocular e olhos frequentemente irritados. O único tratamento que interrompe a evolução da doença é o crosslink. Consiste na aplicação de vitamina B2 (riboflavina) associada à radiação ultravioleta para reorganizar as fibras de colágeno. Quanto antes for aplicado maior é a preservação da visão.

A boa notícia é que hoje é possível fazer o o diagnóstico precoce. "É o caso de um paciente que a tomografia da córnea indicou ceratocone apesar de ter só uma pequena deformação na face posterior da córnea. Conseguimos interromper a doença antes do comprometimento da visão", avalia.