Publicado 14 de Outubro de 2014 - 21h44

Os presidenciáveis Dilma (PT) e Aécio (PSDB) se encontram em debate promovido pelo Grupo Bandeirantes na terça-feira (14)

Divulgação/Band

Os presidenciáveis Dilma (PT) e Aécio (PSDB) se encontram em debate promovido pelo Grupo Bandeirantes na terça-feira (14)

00h11: fim do debate.  

00h09: Dilma pede ao eleitor indeciso que se pergunte quem tem mais experiência para garantir o que o Brasil já conquistou e continuar avançando com mudanças. Diz que tem compromisso com os trabalhadores e que tem apoio político para governar. Afirma que ela, assim como todo o povo brasileiro, quer tempo novo, fundamentado na educação.

00h06: Aécio lembra que foi para o segundo turno porque os brasileiros esperam mudança. Lembra os apoios políticos que recebeu, entre os quais o de Renata Campos, viúva de Eduardo Campos, e de Marina Silva. Diz que não quer dividir o País, mas fazer um governo da generosidade, respeitando os avanços dos governos anteriores - referindo-se aos programas sociais do PT. 

00h05: Começa o quinto e último bloco, quando os candidatos farão suas considerações finais. 

23h54: Dilma diz que Aécio "está fabulando", que inventa coisas. Reitera que o Bolsa Família não foi gerado por nenhum programa do PSDB, e que 70% dos brasileiros ganham hoje pelo menos dois salários. Afirma que só quem não é possível acreditar que alguém sem emprego possa estar melhor do que empregado - referindo-se à política do PSDB. Aécio responde que o governo perdeu a confiança, que não há emprego e os que mais sofrerão serão justamente os mais pobres.

23h52: Dilma pergunta sobre empregos e cita a "lógica do retrocesso". Aécio responde que ela faz o discurso do medo. E afirma que o medo na sociedade é que o PT governe por mais quatro anos. Diz que portas são fechadas porque o Brasil não cresce economicamente, citando que o País tem o pior desempenho industrial dos últimos 50 anos. O tucano fala ainda que irá resgatar a credibilidade, fazer um crescimento sustentável e garantir avanço em políticas sociais. 

23h49: Na réplica, Aécio diz que venceu todas as eleições que disputou em Minas. Mas, reconhece que o Supremo o condenou por julgar inconstitucional as contratações que fez. Dilma responde que então ele não pode falar de meritocracia e retoma o assunto creches. Diz que o PSDB não fez muito nesse quesito. 

23h47: começa o quarto bloco. Aécio pergunta Dilma sobre servidores públicos e diz que implantou meritocracia em Minas. A petista diz que o tucano foi condenado por contratar servidores sem concurso para a Educação. Afirma, também, que ele perdeu em Minas mo primeiro turno, onde foi governador e fez a vida pública. Quando as poucas idas dela a MG, lembra que teve que sair do Estado porque foi perseguida pela ditadura.

23h39: Aécio responde que a proposta dele começa pela construção de 6 mil creches, que o governo de Dilma não construiu. Diz que é preciso avançar no Ensino Fundamental, e que o PSDB estabeleceu a meritocracia (que avalia pelo desempenho). A petista responde que "a história das creches está muito mal contada", citando que 90 % das crianças brasileiras entre 4 a 6 anos estão na escola. 

23h38: Aécio pergunta sobre educação. Dilma responde que fez o Pronatec para dar uma formação profissional aos estudantes e que crê ser fundamental uma reforma nos currículos, citando que doze matérias não é algo adequado para o Ensino Médio. 

23h35: Dilma diz que Aécio não tem nem ideia do quanto foi investido nas emissoras que o PSDB tem em Minas. Aécio replica que o PT está há 12 anos no governo e questiona por que o fundo de segurança não foi usado. 

23h29: Aécio responde que no governo dele, os crimes em Belo Horizonte caíram 37% e diz para a petista checar os números com o ministro Cardozo. Diz, ainda que Minas foi quem mais investiu em segurança. Afirma também que o governo federal terceiriza a responsabilidade sobre a questão. 

23h28: Na tréplica, Dilma responde que o povo brasileiro nunca vai acreditar que o pai do Bolsa Família foi FHC. "Chegamos à fabulação, diz a candidata. E pergunta a Aécio sobre segurança pública. 

23h26: Aécio pergunta sobre programas sociais, dizendo, mais uma vez, que não vai acabar com eles e que não pretende privatizar bancos. Dilma responde que acha que é exatamente isso (privatizar e diminuir o papel dos bancos públicos) o que ele pretende fazer. A candidata diz ainda que não fez o Bolsa Família para 5 milhões de pessoas, mas para 50 milhões. E que o programa Minha Casa, Minha Vida é o maior habitacional da história do País. Aécio responde não entender a dificuldade que Dilma tem em admitir o mérito alheio. O pai do Bolsa Família é FHC, e, a mãe, Ruth Cardoso, diz o tucano. 

23h24: Aécio diz que as boas administrações aprimoram as experiências que já deram certo. Quanto à questão da violência contra a mulher, dia que atualmenteo programa está muito longe de chegar aos locais mais distantes do Brasil.  

23h23: Dilma responde que não se apropriou da Lei Maria da Penha, mas que o governo participou da aprovação. Diz que em todos os Estados esãop sendo construídas Casas da Mulher, que protege àquelas que sofrem violência. 

23h18: Dilma pergunta sobre violência contra a mulher, citando a Lei Maria da Penha. Aécio responde que ninguém pode se apropriar dessa lei, e que é necessário avanço no apoio às cidades porque elas não têm como atender à demanda. 

23h17: começa o terceiro bloco 

23h08: Dilma replica: "o Ministério Público não aceitou a investigação criminal, mas aceitou a investigação do aeroporto sobre improbidade administrativa". E questiona: "o senhor sabe o que é improbidade administrativa?" A petista lembra que o nepotismo é proibido e acusa Aécio de empregar em cargos públicos membros da família dele. Ao que Aécio replica: "a senhora tem obrigação, agora, de dizer onde é que a minha irmã trabalha. É mentira atrás de mentira". 

23h06: Aécio diz que Dilma é leviana, que a obra do aeroporto foi aprovada pelo Tribunal de Contas e feita em um terreno desapropriado do tio-avô dele. 

23h05: Dilma responde que não tem nenhum envolvimento no caso e uma vida inteira de combate à corrupção. Lembra que quando o diretor foi demitido, que ela não era do conselho da estatal. Cita o escândalo no caso do aeroporto construído perto da fazenda de um parente de Aécio na cidade de Claudio, em Minas. 

23h04: Aécio diz que a corrupção na Petrobrás não tem precedentes no Brasil e questiona quais foram os relevantes serviços prestados pelo ex-diretor da estatal.  

23h02: Aécio pergunta sobre corrupção e cita o escândalo da Petrobrás. Dilma afirma que a indignação dela em relação a esse assunto é a mesma de todos brasileiros e que a prioridade dela é punir todos os culpados. Lembra que duas leis aprovadas por ela ajudam a investigar corrupção: a que dá independência aos delegados e a que regulamenta a delação premiada. Lembra ainda os casos de corrupção do PSDB. 

22h58: Dilma, na réplica, lembra que pelo Pronatec já passaram mais de 8 milhões de estudantes e negou os pilotos tenham sido inspirados em programas do PSDB. A petista ainda lembrou o alto desemprego no Brasil em 2002. 

 

22h56: Dilma pergunta sobre educação. Lembra que FHC construiu 11 escolas técnicas, mas que no governo dela funcionam mais de 200. Aécio diz ter orgulho de ter levado Minas ao posto de melhor educação fundamental do Brasil. Quando ao estudo técnico, afirma que "o Pronatec é um bom programa, mas precisa ser aperfeiçoado". O tucano diz que o Pronatec foi inspirado nas Etecs feitas por Alckmin. 

 

22h54: Aécio afirma que se sente "honrado" por ser comparado a FHC, que ao assumir a presidência lidou com uma inflação a 196%. Diz ainda que a inflação atual não está sob controle e que ela deveria ter humildade e assumir que fracassou. Dilma responde que apesar da grave crise manteve emprego, salários e que o País seguiu crescendo. Aécio diz para a presidente parar de olhar para o passado e olhar para o futuro. Dilma questiona: "como o senhor quer que eu acredite que, com a mesma receita, e com o mesmo cozinheiro, vocês vão entregar o País diferente?", referindo-se a indicação de Armínio Fraga, por Aécio, como futuro ministro da Fazenda. 

 

22h53: Dilma diz "proponho que a gente pare de discutir quem está mentindo e peço que quem está nos assistindo entre no site do Tribunal de Contas de Minas Gerais e veja quem está falando a verdade". Afirma ainda que a inflação está controlada dentro dos limites da meta, e que Aécio esqueceu do que acontecia no governo de FHC, quando o ministro da Fazenda deixou a inflação passar o limite da meta por duas vezes.

 

22h49: Aécio questiona sobre o aumento da inflação, que está estourando o teto da meta. Cita o que um assessor de Dilma disse, que para combatê-la, que o brasileiro deveria trocar carne por outro alimento. E pergunta qual é a proposta dela para a inflação. 

 

22h48: começa o segundo bloco

 

22h41: Dilma rebate citando o caos do Samu em Minas e o recorde de dívida que o PSDB deixou no Estado. Quando o partido entrou, a dívida era de 28%; quando saiu, de 60%.

 

22h40: Aécio reponde que Minas tem o melhor programa de Saúde do Brasil. Diz que o PSDB não pretende reduzir o papel da Caixa Federal nas questões sociais, como o Bolsa Família, mas dar transparência aos programas. Afirma, ainda que o maior projeto social da história brasileira não foi o Bolsa Família, mas o Plano Real, porque estabilizou a economia. 

 

22h37: Aécio diz que Dilma mente na campanha, que afirma que ele irá acabar com o Bolsa Família. E pergunta à candidata se ela não se arrepende de fazer ataques tão cruéis. Dilma responde que o tucano distorce a ralidade. Que o PSDB diz que foi o embrião do Bolsa Família, mas que o que o partido dele fez não tem a abrangência que o programa, pensado pelo PT, atinge. Dilma diz que o PSDB nunca fez programas sociais quando pode, como no caso da Saúde, em Minas.    

22h34: Dilma responde a Aécio que as únicas propostas sociais que ele tem são as que dão continuidade às dela. Rebate que devido ao desvio das verbas da Saúde o governo de Minas teve que assinar um acordo de ajustamento de gestão. Aécio diz que pretende cuidar com seriedade da Saúde.    

 

22h31: Dilma diz que quando Aécio foi governador de Minas Gerais, que 7,6 bilhões de reais foram desviados da Saúde. Aécio responde que a presidente é mal informada e que tais contas foram aprovadas.  

 

22h28: Aécio dá boa noite e diz que pretende unir a eficiência à decência, retomando a credibilidade que o Brasil perdeu. Cita o aumento da inflação e a piora nos indicadores sociais, referindo-se ao que foi feito pelo governo do PT.   

 

22h26: Dilma começa dando boa noite e diz que o PT lançou as bases para um Brasil moderno. Cita, posteriormente, que suas prioridades são a educação e o combate à corrupção.   

 

22h25: começa o debate

 

O Grupo Bandeirantes promove a partir das 22h15 desta terça-feira (14) o primeiro debate dos dois candidatos à Presidência da República que chegaram ao segundo O Grupo Bandeirantes promove a partir das 22h15 desta terça-feira (14) o primeiro debate dos dois candidatos à Presidência da República que chegaram ao segundo turno destas eleições de 2014: a atual presidente Dilma Rousseff (PT) e o tucano Aécio Neves (PSDB).

 

“O primeiro debate do segundo turno vai indicar a postura que cada um dos candidatos vai adotar na reta final da campanha”, afirma o diretor de Jornalismo do Grupo Bandeirantes, Fernando Mitre. “Uma das novidades do debate será as considerações iniciais. Cada candidato terá dois minutos livres para falar logo no início do encontro”, diz.

“Nós vamos ter 48 momentos em que um candidato vai ou perguntar, ou responder, ou replicar ou treplicar no confronto com o outro. E isso é uma novidade incrível nessa campanha e será uma oportunidade maravilhosa para que o telespectador veja as diferenças e faça as suas comparações”, complementa Mitre.

O encontro será mediado pelo jornalista Ricardo Boechat, âncora do Jornal da Band.

Tanto as posições dos candidatos no estúdio quanto a ordem de participação de cada um deles foram escolhidas por sorteio. Dilma ficará à esquerda do vídeo, de frente para Aécio, na direita.

Nos quatro primeiros blocos, o confronto será direto: a petista fará perguntas ao tucano e vice-versa. Já no quinto e último bloco cada um deles fará suas considerações finais.

As transmissões serão feitas pela TV aberta (na Band TV), pela TV por assinatura (na Bandnews), pela internet (pelo Band.com.br), pelas três rádios Bandeirantes (AM 840, FM 90,9, FM 96,9) e por smartphone (pelo aplicativo da Band).

 

 

Veja também