Publicado 14 de Outubro de 2014 - 13h41

Um cabo e dois soldados da Polícia Militar foram presos e indiciados por homicídio qualificado do jovem Rafael Mendes Caetano, de 23 anos. O crime aconteceu em uma casa noturna de Mauá, na Região Metropolitana de São Paulo, na madrugada da sexta-feira (10). Os policiais foram levados ao Presídio Militar Romão Gomes, na zona norte da capital.

Além do homicídio, os policiais deverão responder por omissão de socorro e prevaricação, de acordo com o que foi informado em nota pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP). Um civil de 28 anos também foi preso por suposto envolvimento no crime e está na Cadeia Pública de Santo André.

A Polícia Civil apura ainda a participação de outros cinco policiais militares que estavam no local no momento da ocorrência e que foram recolhidos administrativamente na Corregedoria da PM.

O delegado responsável pela investigação do caso, José Mesquita Alves, titular do 1º Distrito Policial de Mauá, solicitou a prisão temporária dos três PMs e do civil à Justiça. O período mínimo da reclusão é de 30 dias.

Dois policiais foram presos ainda na noite desta segunda-feira, 13, e outro se apresentou na manhã desta terça-feira, 14.

O caso teve início na madrugada da sexta-feira passada, quando Rafael Mendes Caetano se feriu gravemente após cair de um mezanino no interior de um bar em Mauá. A queda na altura aproximada de cinco metros causou morte cerebral no jovem, que foi socorrido para um hospital da região. Isso aconteceu após uma discussão iniciada com policiais militares de folga que também estavam no bar.

Segundo o delegado Alves, os homens assumem terem participado da confusão com Caetano, mas negam terem jogado o rapaz do mezanino. O cabo atua no Comando da Área 6 (CPAM-6), na região do ABC, e os dois soldados são do 30º Batalhão da PM, em Mauá.