Publicado 13 de Outubro de 2014 - 21h19

Por Carlos Rodrigues

Horley Senna (à esquerda) ao lado de Lucas Andrino, que representa a Magnum e será o responsável pelo futebol do clube

José da Cunha/Guarani

Horley Senna (à esquerda) ao lado de Lucas Andrino, que representa a Magnum e será o responsável pelo futebol do clube

Fazer o clube reencontrar o rumo e o torcedor reconquistar o orgulho perdido após uma série de sucessivos frcassos. Essa é a principal missão do novo Conselho de Administração do Guarani, que tomou posse no sábado (11) e, a partir desta segunda-feira (13), iniciou pra valer a era no Brinco de Ouro. Quarto presidente bugrino em menos de três anos, Horley Senna apresentou sua equipe de trabalho, mostrou preocupação com a atual situação vivida pelo clube, mas enfatizou o otimismo em resgatar o Guarani e conduzi-lo a dias melhores.

 

Ao seu lado, o novo mandatário bugrino terá Ozéias de Jesus dos Santos — que será o vice-presidente —, Assis Eurípedes de Oliveira, Carlos Aparecido Queiroz e Luiz Carlos de Almeida Silva, aclamados no final de semana, além de Gustavo Moura Tavares e Luiz Antônio Carreira Torres, remanescentes do último Conselho.

 

Em seu primeiro ato, Senna nomeou os novos responsáveis por algumas das estruturas do clube. A parte do futebol ficará a cargo de Lucas Andrino, que representa a Magnum e foi oficializado como superintendente, e Sérgio do Prado, que segue como diretor do departamento profissional. Na área social, Rubens Vicente Júnior, o Rubão, retorna ao clube como diretor, e terá ao seu lado o vereador Cid Ferreira de Souza. Já o marketing tem agora Edinho Torres como homem-forte.

 

Sobre seus desafios, Horley Senna foi direto e destacou que a busca por recursos é a principal meta nesse início de gestão. "Fiquei assustado com algumas coisas que vimos. Embora tivesse passado por aqui como vice-presidente em 2013, não tinha tanta autonomia", explica. "O conselho está empenhado e dedicado em buscar recursos. O que preocupa é o estado emergencial, temos um leilão próximo. A situação preocupa, estamos sabendo do problema, mas vamos correr atrás do prejuízo", completa o presidente, que, ao lado de seus pares, precisará encontrar uma solução para evitar a penhora do patrimônio. Um novo leilão já está marcado para esse ano.

 

Disposto a não repetir o que fizeram seus antecessores — nenhum dos últimos cinco presidentes que o Guarani teve conseguiu terminar o mandato em vigência — Horley Senna quer sanar os erros e contar com planejamento. "Vamos tentar não errar como eles erraram. Partir do princípio de corrigir o que foi feito de forma indevida e fazer de maneira correta dali pra frente", afirma.

POLÍTICA

 

Outra aposta é obter paz dentro do próprio Conselho de Administração. Antes mesmo da aclamação, Luiz Carreira Torres fez críticas públicas à presença da Magnum no clube. Sem entrar em polêmica, Senna garantiu que o trabalho será voltado a evitar que a disputa política traga interferências negativas ao clube. "Estamos trabalhando no sentido de ter harmonia, sem revanchismo com ninguém."

Escrito por:

Carlos Rodrigues