Publicado 09 de Setembro de 2014 - 16h27

Coincidência

A partida de sábado contra o Duque de Caxias deve ser a última do Bugre com portões fechados depois da punição que recebeu após seus próprios torcedores entrarem em conflito nas arquibancadas no jogo contra o Madureira, no dia 3 de maio. Em ambas as partidas o palco foi e será o mesmo: o Estádio Décio Vitta, em Americana.

Em cima

Para o zagueiro Tiago Bernardi, no entanto, a casa do Rio Branco o problema está longe de ser a má lembrança do dia da confusão. "Nossa maneira de jogar, sempre em cima do adversário, fica mais fácil em campos de dimensões menores como o estádio de Bragança", avalia Bernardi, lembrando que as dimensões do Décio Vitta são bem superiores e, por isso, a marcação é mais difícil.

Sem concorrência

O meia Luis Henrique entendeu bem o recado dado por Vagner Benazzi sobre a necessidade de contar com reforços. "Ele não desmereceu a gente que está aqui. O problema é que sempre tem alguém machucado e, quanto mais gente tiver disponível, melhor".