Publicado 10 de Setembro de 2014 - 5h33

Tratoristas, operadores de máquinas, funcionários administrativos e cortadores de cana dividiam uma longa fila, na manhã ontem, em frente à Usina Vista Alegre, na zona rural de Itapetininga, região de Sorocaba. O grupo com mais de cem pessoas esperava a vez de assinar os documentos de dispensa. A empresa informou que, em razão da estiagem, a safra será encerrada mais cedo e, com a queda na produção, não tem como manter o quadro de colaboradores. Metade dos mil trabalhadores está sendo dispensada. De acordo com a empresa, a estiagem causou uma redução de 40% na moagem prevista, de dois milhões de toneladas de cana. Houve redução proporcional na produção de açúcar, etanol e energia elétrica. Os baixos preços atuais do etanol também pesaram na decisão da empresa de enxugar os quadros. De acordo com a direção da usina, todos os direitos trabalhistas dos demitidos serão pagos. Parte dos trabalhadores pode ser recontratada na próxima safra, que terá início em maio. Outras usinas do Estado de São Paulo também estão iniciando a entressafra mais cedo por causa da estiagem. Normalmente, as operações de colheita e moagem da cana seguem até o final de novembro. De acordo com a Cooperativa dos Plantadores de Cana do Estado de São Paulo (Coplacana), a falta de chuvas prejudicou o desenvolvimento dos canaviais e aumentou o custo operacional das usinas. A safra deve fechar com queda de 20% a 25% na produção. Estimativa do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) aponta quebra acumulada até agosto, pico da safra, de 16%. (Da Agência Estado)