Publicado 09 de Setembro de 2014 - 5h33

Em assembleia geral extraordinária realizada ontem em Lisboa, a Portugal Telecom aprovou os novos termos da fusão com a brasileira Oi.

A proposta reduz a participação da PT na Oi, dos 37% originais, para 25,6%. Com os novos termos, a holding da PT assume integralmente a dívida com a Rio Forte, empresa do Grupo Espírito Santo, tomou um empréstimo de 897 milhões de euros junto a PT, mas não pagou. Os novos termos foram aprovados por 98,25% do capital presente, em uma assembleia que durou cinco horas. Os acionistas da Oi, que detêm 10% da PT, foram impedidos de votar por conflito de interesses.

A necessidade de definição da nova participação da Portugal Telecom na Oi aconteceu depois que veio a público que o empréstimo feito à Rioforte.

Na assembleia, o conselho de administração da PT definiu o prazo de seis anos para que a PT tente reaver os recursos emprestados à Rioforte. Quando isso acontecer, a PT pode voltar a aumentar sua participação na Oi. (Folhapress)