Publicado 08 de Setembro de 2014 - 19h05

Ela não é mais uma adolescente, nem ele líder de banda de rock. Mais maduros, experientes e morando em Lisboa (Portugal), Mallu Magalhães e Marcelo Camelo (ex-Los Hermanos) mostram uma nova faceta artística, ainda mais pop, em Banda do Mar, disco de estreia do grupo homônimo no qual o casal tem como parceiro o músico português Fred Ferreira (bateria e percussão dos coletivos Buraka Som Sistema e Orelha Negra). O trio apresenta 12 canções inéditas, sendo cinco escritas por Mallu e sete por Camelo, que além de dividir a “caneta”, se alternam nos vocais — cada um interpreta a sua composição.Em entrevista por telefone ao Correio Popular, a cantora aponta os Beatles como principal influência na construção do repertório, devido à tentativa de deixar as canções simples, comunicativas e ao mesmo tempo bonitas. Além do disco físico, distribuído pela Sony Music, o conteúdo também foi disponibilizado no formato digital (iTunes). E o retorno tem sido satisfatório, surpreendendo os próprios músicos com a venda, na primeira semana, de aproximadamente 1 mil cópias. “Não esperava que seria tão bem recebido e que tivesse uma procura tão grande. Estamos muito satisfeitos”, disse Mallu, primeira anunciar a formação do grupo, em 6 de maio.De outubro a dezembro, a Banda do Mar sai em turnê pelo Brasil, seguida de uma passagem, no início de 2015, por Portugal. Depois, retorna para o Brasil e novamente viaja a Portugal, onde o casal vive há um ano. Nos shows, há ainda a participação do baixista Marcos Gerez (do Hurtmold) e do guitarrista Gabriel Mayall (o Bubu, ex-Los Hermanos). Leia os principais trechos da entrevista:Correio Popular — O disco é um projeto único do trio ou marca a estreia da Banda do Mar?Mallu Magalhães — Por sermos amigos há muito tempo, sabemos que estaremos juntos para sempre e que essa é uma formação para qual a gente pode voltar de tempos em tempos, quando a gente quiser, tiver ideia, tiver repertório... Então, é uma banda para durar muitos anos e existir ao lado da carreira-solo. Para agregar.Algo descompromissado?Quando a gente estiver com a banda, como agora, vai sempre ser muito intenso, mas há o lado descompromissado no sentido de não precisar necessariamente produzir conteúdo em conjunto.Os ares de Lisboa contribuíram para a elaboração do CD?Acho que sim. Nosso trabalho é muito baseado nas viagens. Viver em cidades e realidades diferentes é muito construtivo para a criatividade, traz o amadurecimento. Estar em um novo país, numa nova cidade, construir a sua rotina, a sua morada num outro lugar é muito construtivo. Conhecemos Nico Nicotine, um artista português que trouxe enorme influência pra gente, além do convívio com outros artistas locais. Essa partilha toda é bastante construtiva.As músicas foram compostas para a Banda do Mar ou existiam antes?A imensa maioria foi composta para a Banda do Mar. Uma vez que tivemos essa ideia, passamos a compor esse trabalho. Outra parte do repertório tem alguns trechos que tínhamos arquivado na memória, a qual nós resgatamos para o álbum. Intercalar uma música sua com uma do Marcelo Camelo dá impressão de diálogo. Existia essa intenção?A alternância é bem agradável para o ouvinte. É gostoso escutar um disco quando muda a voz, o universo. Claro que é a mesma banda e os mesmos integrantes que fizeram os arranjos, mas quando você muda a voz e o compositor muda, traz dinâmica ao álbum. Utilizamos desse privilégio de termos dois cantores e dois compositores para dar esse balanço a mais.Em alguns momentos, parece que você fala algumas coisas pessoais, da relação, e ele responde na sequência.É isso mesmo. Na verdade, a gente compõe muito sinceramente, honestamente. O Marcelo trabalha com a composição mais vaga, aborda o sentimento. Eu trabalho com canções mais pontuais, digo pontualmente. Mas nós dois usamos o cotidiano como objeto. Uma vez que somos casados, temos tanto o cotidiano quanto o sentimento muito interligados, então, isso transparece naturalmente.Qual a razão de terem escolhido Mais Ninguém para o primeiro videoclipe?Acreditamos que representa bem o disco, a banda, convida e evoca uma certa curiosidade em saber como é esse trabalho. É difícil escolher uma música para isso, mas já estamos preparando outros clipes. Em breve vamos lançar outros.