Publicado 09 de Setembro de 2014 - 5h31

O São Paulo vive uma crise financeira que levou o clube a atrasar pagamentos a seus jogadores, demitir uma parte de seus funcionários e diminuir salários. A "política de austeridade", como foi batizado enxugamento de gastos, foi anunciada e posta em prática desde os primeiros dias da gestão do presidente Carlos Miguel Aidar. Ela é sentida em todos os departamentos do clube – a ideia é cortar 20% dos gastos de cada setor. A diretoria atrasou o repasse de direitos de imagem de vários jogadores do elenco. Boa parte do time está com três meses atrasados. Alguns atletas receberam um pagamento na última sexta-feira, mas ainda estão com dois meses não quitados. O clube nega que esteja em débito com os atletas, mas informa que alguns vencimentos não foram cumpridos rigorosamente em virtude de processos burocráticos, como demora na entrega de notas das empresas. Os direitos de imagem têm de ser pagos, necessariamente, a firmas abertas pelos jogadores.

"Tem o de agosto, que a gente está acertando, mas eu não considero isso atraso. Tem uns que vencem dia dez, outro dia 20, dia 30. Os jogadores precisam mandar nota fiscal, alguns demoram. As notas estão chegando, a gente vai pagando", disse o diretor financeiro do São Paulo, Osvaldo Vieira. (Das agências)