Publicado 08 de Setembro de 2014 - 5h30

Apesar de apresentar evolução em relação aos últimos jogos, o Palmeiras empatou por 1 a 1 com o Atlético Paranaense, ontem, na Arena da Baixada, em Curitiba, pela 19 rodada do Campeonato Brasileiro, na estreia do técnico Dorival Júnior no comando alviverde. Com o resultado, o time paulista segue em 16 lugar na tabela de classificação, fora da zona de rebaixamento, com 18 pontos, enquanto que a equipe do Paraná permanece na 11 posição, com 25 pontos.

O próximo desafio do Palmeiras é nesta quarta-feira, às 19h30, contra o Criciúma. O jogo acontece no estádio do Pacaembu, em São Paulo. No mesmo dia e horário, o Atlético enfrenta o Grêmio na Arena, em Porto Alegre.

O jogo começou com o Palmeiras todo no campo de defesa, sem arriscar muito, enquanto que o Atlético trocava passes pelo meio de campo. Pelo menos no início da partida, o time paulista soube tirar proveito de algumas jogadas ofensivas da equipe dona da casa. Mas o Atlético levou a melhor e, aos 30’, abriu o placar, quando Fábio espalmou chute de Marcos Guilherme, Dellatorre aproveitou e, de costas para o lance, mandou de calcanhar para o fundo da rede.

Melhorou

Mesmo perdendo por 1 a 0, o ataque do Palmeiras voltou a trabalhar bem. O time paulista começou a segunda etapa se movimentando e, aos 5’, conseguiu empatar após o árbitro gaúcho Leandro Pedro Vuaden marcar pênalti. A marcação ocorreu depois que Diogo, após cobrança de falta, recebeu na esquerda e pedalou para cima de Marcelo, que levou a bola por baixo das pernas e só encostou no atacante, que desabou e iludiu o árbirtro. Henrique cobrou e mandou a bola no canto esquerdo de Weverton, que pulou para o lado oposto Foi o 8 gol marcado por Henrique no Brasileirão e o 15 do Palmeiras. Ele chegou aos dez gols na temporada, mesmo número alcançado por Alan Kardec, agora no rival São Paulo.

Com o empate, os times passaram a arriscar mais jogadas. Aos 17’, no entanto, Josimar recebeu cartão vermelho por entrada dura no lateral-esquerdo Natanael. A jogada ainda rendeu um cartão amarelo ao goleiro do Atlético, que foi advertido pelo árbitro por reclamar da falta. Pouco tempo depois, mais um lance polêmico. Aos 21’, em cruzamento para a área do Palmeiras, Marcelo disputou a bola pelo alto e caiu pedindo pênalti, mas o juiz mandou seguir. O time paulista reclamou mais uma vez da arbitragem aos 28’, quando Marcelo fez boa jogada, mas caiu na área pedindo pênalti, e o árbitro nada marcou mais uma vez.

A equipe paranaense perdeu nova chance de sair do empate aos 37’, quando, após cobrança de escanteio, houve bate e rebate na área do Palmeiras e a bola sobrou para Cleberson. O zagueiro, no entanto, mandou para cima do gol. Aos 40’, Victor Luiz deixou Marcos Guilherme livre dentro da área, mas, de frente para o gol, o atleticano não aproveitou e chutou para longe.

O Palmeiras reagiu aos 41’, quando Juninho chegou pela esquerda, cruzou para área, mas Henrique cabeceou para fora. A pressão atleticana, no entanto, voltou e, com um jogador a menos, o time paulista seguiu no campo de defesa até o fim. (Da Agência Estado)

ATLÉTICO-PR

Weverton; Mário Sérgio, Dráusio (Willian Rocha), Cleberson e Natanael; Deivid, João Paulo (Paulinho Dias), Nathan (Bady) e Marcos Guilherme; Marcelo e Dellatorre. Técnico: Claudinei Oliveira.

Elenco atribui mudança à chegada de novo treinador

O atributo que levou o Palmeiras a chegar ao empate em 1 a 1 com o Atlético Paranaense foi a autoconfiança. Após a partida em Curitiba, o time destacou que o ambiente mudou com a chegada do técnico Dorival Junior e isso possibilitou à equipe voltar a pontuar como visitante na competição pela primeira vez desde junho.

“Com a chegada do Dorival mudou o nosso psicológico. Entramos com outra postura e apesar de sairmos perdendo, conseguimos empatar. Jogar com o Atlético em Curitiba é difícil”, explicou o goleiro Fábio. A partida na Arena da Baixada foi a primeira de Dorival Junior como técnico, após somente dois dias de trabalho.

O treinador destacou a evolução apresentada pela equipe e afirmou que a autoconfiança foi importante para não sair de campo derrotado. "Tivemos um pouco mais de confiança para que pudéssemos atuar dentro de normalidade. O importante era não perder e por isso foi bom esse resgate do trabalho que tivemos", destacou. O Palmeiras chegou a ter mais posse de bola na partida durante o primeiro tempo e foi prejudicado pela expulsão de Josimar, aos 18’ da segunda etapa, o que levou o mandante a pressionar.

Nesta quarta-feira, o Palmeiras de Dorival Junior tem encontro importante contra o Criciúma, adversário que tem o mesmo número de pontos, mas está uma posição atrás pelos critérios de desempate. (AE)

Mano elogia campanha, mas espera mais do time

Apesar do empate por 0 a 0 contra o Criciúma, em santa Catarina, o Corinthians terminou o primeiro turno do Brasileiro na quarta colocação, com 33 pontos, a 10 do líder Cruzeiro. Foi o terceiro jogo sem vitória na competição. Mesmo assim, o técnico Mano Menezes valorizou o G4 e evitou fazer previsões se é ou não possível alcançar o time mineiro no segundo turno. “Terminamos entre os quatro primeiros no primeiro turno. Se quiser alguma coisa a mais, tem de produzir mais. A competição é difícil. Mas temos de pensar só no Corinthians. O Cruzeiro pensa no Cruzeiro. Se fizermos um segundo turno melhor, podemos nos aproximar”, afirmou Mano.

O técnico admitiu que a equipe sentiu os desfalques no jogo contra o Criciúma, mas disse que gostou do desempenho de jogadores que entraram como titulares. "Certamente você perde um pouco porque são jogadores qualificados, mas à medida que os outros vão entrando e respondendo você fica feliz”.

Mano Menezes não pôde escalar Guerrero, Lodeiro, Elias e Gil. Todos eles defendem as suas seleções nas rodadas de amistosos internacionais. Luciano estava suspenso e Romarinho foi vendido ao futebol do Catar, por isso nem viajou com o grupo para Santa Catarina.

Mano Menezes espera que os considerados titulares estejam à disposição no próximo jogo contra o Atlético Mineiro, mas prefere ser cauteloso. “Vamos ver como os jogadores chegam. É uma questão particular de cada um. Podemos até levá-los ao jogo, mas vamos esperar o retorno dos atletas para ter um posicionamento sobre isso. Até lá, tenho que pensar em substitutos”, admitiu o treinador. (AE)

CRICIÚMA

Luiz; Luis Felipe, Fábio Ferreira, Alcides (Ronaldo Alves) e Giovanni; Rodrigo Souza, João Vitor, Cleber Santana e Lucca (Paulo Baier); Zé Carlos e Silvinho (Maurinho). Técnico: Gilmar Dal Pozzo.