Publicado 07 de Setembro de 2014 - 5h33

O japonês Kei Nishikori voltou a surpreender, ontem, no US Open. Exibindo mais uma vez incrível força física e mental, eliminou ninguém menos que o número 1 do mundo, o sérvio Novak Djokovic, e conquistou vaga na final de um Grand Slam pela primeira vez na carreira. Nishikori fechou a partida das semifinais pelo placar de 3 sets a 1, com as parciais de 6/4, 1/6, 7/6 (7/4) e 6/3. O japonês disputará a final, amanhã, contra o croata Marin Cilic, que também ontem derrotou a lenda do tênis Roger Federer por 3 sets a 0, com parciais de 6/3, 6/4 e 6/4. Cilic havia perdido os cinco confrontos anteriores que disputou contra o tenista suíço. Esta será uma decisão inédita entre os dois tenistas.

Nishikori é o primeiro japonês a chegar a uma final de Grand Slam no masculino. Antes ele já havia se destacado por ser o primeiro do seu país a entrar no Top 10 do ranking da ATP.

Além do ineditismo, a vitória do japonês surpreende pela cansativa sequência. Ele vinha de duas partidas seguidas de cinco sets. Contra o canadense Milos Raonic, Nishikori precisara de 4h19 para vencer. Na sequência, enfrentou nova batalha: 4h15 para superar o suíço Stan Wawrinka. Ontem, o duelo foi mais curto — 2h52.

Final feminina

Serena Williams e Caroline Wozniacki decidem hoje, a partir das 17h30 (SporTV 2 e ESPN), o título da chave feminina do US Open. Serena, a número 1 do mundo está, novamente, perto de alcançar números impressionantes. Dona de cinco títulos do torneio, ela tem uma sequência de 20 jogos invicta no US Open. Caso vença a dinamarquesa, alcançará o 18 título de Grand Slam e ganhará premiação recorde de US$ 4 milhões (aproximadamente R$ 9 milhões). (AE)