Publicado 07 de Setembro de 2014 - 5h30

O Red Bull tomou um susto na noite de ontem, mas acordou a tempo e conquistou mais uma vitória na Copa Paulista, ao bater o Rio Branco por 4 a 2, em Americana, pela 11 rodada da competição, e garantir a classificação à próxima fase. Depois de abrir 2 a 0 com gols de Gabriel Barcos e Fabiano Eller, o Toro Loko permitiu o empate. Mas com dois gols no final, um aos 45’ de Raul e outro de Fernando, aos 49’, confirmou a 5 vitória na Copa Paulista.

O resultado manteve o Red Bull na liderança do Grupo 2, com 19 pontos. Na próxima rodada o Toro Loko faz um confronto direto pela ponta, contra o vice-líder XV de Piracicaba, quarta-feira, às 20h, fora. O XV é o segundo colocado da chave, com um ponto a menos. Já o Rio Branco segue na lanterna, com seis pontos.

O primeiro gol do Red Bull saiu aos 13', em sua primeira chegada ao ataque. Rafinha bateu de fora da área, o goleiro Victor rebateu e Gabriel Barcos marcou no rebote. O experiente zaguero Fabiano Eller ampliou aos 26', aproveitando a sobra depois da cobrança de escanteio. O Rio Branco reagiu e descontou aos 30', em pênalti cobrado por Jobinho.

O Rio Branco voltou mais aceso no segundo tempo e empatou o jogo aos 10', novamente com Jobinho. O atacante aproveitou cruzamento de Bruninho e marcou de cabeça. O jogo ficou aberto e os donos da casa foram para cima em busca da vitória. Mas o castigo veio no finalzinho. Aos 45' Raul puxou contra-ataque e bateu da entrada da área, no canto do goleiro Victor. O Red Bull ainda fez mais em nova arrancada de Raul. Desta vez ele deu o cruzou para Fernando fazer o quarto do Toro Loko e fechar o placar. (Bruno Bacchetti/Da Agência Anhanguera)

Sentimento é de dever cumprido e frustração

O sentimento dos jogadores do Guarani na saída do gramado após o empate sem gols com o Guaratinguetá foi um misto de dever cumprido e frustração. Com uma atuação segura na defesa, o Bugre deu pouco espaço para o Guará e segurou o melhor ataque do Campeonato Brasileiro da Série C, com 23 gols. Por outro lado, o Bugre não aproveitou as oportunidades criadas e desperdiçou a chance de vencer a segunda seguida sob o comando do técnico Vágner Benazzi e se aproximar do G4.

“Merecíamos a vitória. Tivemos uma bola na trave, e no primeiro tempo teve uma boa defesa do goleiro deles. A vitória seria mais justa”, lamentou o lateral-esquerdo Pedro Henrique.

Para o goleiro Wanderson, que praticamente não teve trabalho, apesar do Guaratinguetá ter ficado mais tempo com a bola nos pés, o Guarani foi superior e teve chances de sair de Barueri com os três pontos. "A gente esperava que no contra-ataque poderia matar. Criamos várias oportunidades. Mesmo eles tendo a posse de bola, quem criou chances foi a gente", analisou. "Faltou um pouco de capricho e também de sorte na bola do Silas, que bateu na trave”, completou.

O empate manteve o Guarani na oitava colocação, com 16 pontos, uma posição acima da zona de rebaixamento. O São Caetano tem 12 pontos e abre a zona da degola. Apesar da situação incômoda, o zagueiro Jorge Luiz ainda acredita ser possível uma arrancada rumo à zona de classificação para a próxima fase da competição. “Fizemos uma boa partida. Agora é vencer em casa para encostar no G4”, projeta o jogador. (BB/AAN)

GUARATINGUETÁ

Felipe Alves; Marquinhos, Didi (Carlos Magno, 17’/2), João Paulo e André Castro; Francis, Tchê Tchê, Camacho e Denílson (Bruno Paulo, 8’/2); Rafinha (Leandro Love, 32’/2) e Ytalo. Técnico: Fernando Diniz.