Publicado 09 de Setembro de 2014 - 11h53

Por Yasmine Souza

Rogério devolve troco com dinheiro e não ouve reclamação de consumidores

Edu Fortes/ AAN

Rogério devolve troco com dinheiro e não ouve reclamação de consumidores

Oferecer balas de troco pode até parecer inofensivo, mas é ilegal. E arredondar o preço para cima é pior ainda. O fato é comum em padarias, lanchonetes e lojas do comércio popular, sob a justificativa de que não há moedas suficientes em circulação, especialmente as de 1 centavo, mas pouca gente reclama.

 

Só que a prática é abusiva e fere o artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor.

Quem se sentir lesado pode procurar o Procon.

 

Os comerciantes devem devolver o troco em dinheiro e, se for preciso arredondar a diferença, o cliente não pode ser prejudicado.

 

Assim, se o troco for de 3 centavos, por exemplo, e não houver moedas, o comerciante tem de devolver 5 centavos ou a moeda de valor mais próximo que tiver em mãos.

 

“Arredondar para um valor menor, além de ser o correto, é mais simpático”, diz o diretor do Procon Campinas, Ricardo Chiminazzo. 

 

O chapeiro Rogério Santos, de 26 anos, não ouve chiadeira quando não tem troco. “Muita gente até deixa as moedas de gorjeta. Mesmo assim, os preços aqui já estão arredondados para não ter problema.”

 

marcelo Martins, auxiliar de loja

 

 

“Não ligo para isso. Aceito as balinhas numa boa.” (Marcelo Martins, 30 anos, auxiliar de loja)

 

 

Gilmar Fernandes, pintor

 

“A gente até aceita, mas não gosta. O correto é dar o valor certo.” (Gilmar Fernandes, 53 anos, pintor)

Escrito por:

Yasmine Souza