Publicado 06 de Setembro de 2014 - 12h54

Por Milene Moreto

Milene Moreto - ig

AAN

Milene Moreto - ig

Se a eleição já estava complicada com tudo o que aconteceu este ano, um novo ingrediente causou desespero em diversos candidatos.

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa resolveu soltar o verbo em sua delação premiada e citou mais de 60 políticos, entre deputados, senadores, um governador e partidos que teriam recebido propina de contratos bilionários da estatal.

O depoimento foi dado à Polícia Federal dentro das investigações da operação Lava Jato.

Sem dormir

O ex-diretor relatou que os desvios nos contratos da Petrobras envolveriam desde o funcionário do terceiro escalão até a cúpula da empresa, durante sua gestão na diretoria, entre 2004 e 2012.

A história lembra o Caso Sanasa, em Campinas, mas de uma forma muito mais ampliada.

A essa altura do campeonato, o que mais deve ter no Brasil é político sem dormir, com medo de falar ao telefone e de dar de encontro com uma viatura na janela.

Frase

Todo dia tinha um político batendo em sua porta. (Do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa ao citar deputados, senadores e partidos políticos que teriam recebido propina de contratos com a Petrobras).

Garota-propaganda

Um candidato que defende a causa animal posou para seu material de campanha ao lado da cadela “Menina”. A cachorrinha ficou famosa em 2012 após ter sido atingida por uma bomba.

O artefato foi arremessado por um integrante da banda do cantor Thiaguinho, em frente a um hotel de Campinas.

Na época, “Menina” passou por tratamento e até chegou a receber a visita do músico, que cogitou adotá-la. Mas o candidato decidiu ficar com a cadela, que acabou virando “cabo eleitoral” do político. O lema é tudo pela causa...

Canetão

A equipe de campanha do candidato Campos Filho (DEM), que disputa uma vaga na Assembleia Legislativa, cometeu um erro quase que imperdoável em seu material.

Apoiando a campanha de José Serra (PSDB) ao Senado, o número do tucano nos cavaletes do democrata está errado. Para não perder o dinheiro investido, o jeito foi recorrer ao bom e velho canetão. Mas ainda tem cavalete nas ruas que não foi corrigido.

Vetinhos

Os vetos do governo do prefeito Jonas Donizette (PSB) aos projetos de lei dos vereadores continuam. No Diário Oficial do Município publicado ontem, mais um projeto foi “parcialmente” vetado.

A proposta, mais uma vez, é do parlamentar José Carlos Silva (SDD) e trata da reserva de vagas para idosos nos estacionamentos. O vereador teve três propostas barradas recentemente. A longa discussão sobre os vetos vai continuar por muito tempo...

É ele!

Coisas inusitadas ocorreram na audiência pública realizada na Câmara na última quinta-feira, para discutir o projeto da Arena da Ponte Preta.

O presidente da Comissão de Constituição e Legalidade, Luiz Henrique Cirilo (PSDB), chamou para compor a mesa um representante do secretário de Assuntos Jurídicos, Mario Orlando Galves de Carvalho.

Quando o tucano olhou para o lado, viu que o secretário havia se materializado no plenário e soltou: “Ué, é o próprio!”.

Falta de preocupação

A propaganda irregular continua espalhada pelas ruas de Campinas. Os candidatos fazem questão de dizer que “andam na linha”, mas na prática preferem cometer as irregularidades para serem vistos e lembrados a respeitar a legislação.

Tem quem acredite que os “maiores pecadores” não estão muito preocupados com as salgadas multas eleitorais, já que possuem um bom caixa para dar conta dos pagamentos posteriormente, casos sejam penalizados. O fato é que respeitar a lei deveria ser a preocupação primordial dos concorrentes.

COLABOROU FELIPE TONON/ AAN

Escrito por:

Milene Moreto