Publicado 07 de Setembro de 2014 - 5h00

Por Bruno Bacchetti

Interior e frente da Basílica Santuário Santo Antonio de Pádua, em Americana

César Rodrigues/ AAN

Interior e frente da Basílica Santuário Santo Antonio de Pádua, em Americana

Templos religiosos importantes da Região Metropolitana de Campinas (RMC) passam por processo de restauração da fachada e do espaço interno para manter a beleza histórica que encanta os milhares de fiéis frequentadores.

 

A Basílica Santuário Santo Antonio de Pádua, em Americana, passa pela primeira reforma em mais de 40 anos de existência.

 

Em Campinas, a Catedral Metropolitana está na segunda etapa de obras, e a estimativa é que a restauração completa (fachadas laterais e outros projetos, como hidráulico, elétrico de iluminação e sonorização) seja finalizada em um ano e meio.

 

A Basílica Nossa Senhora do Carmo também passa por restauração de sua fachada para recuperar seus elementos originais da década de 1920. O restauro da igreja entrou na reta final e deve ser finalizada mês que vem. 

Inaugurada na década de 1970, a Basílica Santuário Santo Antonio de Pádua passa pela primeira grande revitalização em quase meio século de existência.

 

A restauração do templo será feito em cinco fases. A primeira etapa é a reforma do Presbítero, que teve início em agosto. Serão restauradas as rosáceas, adornos dos candelabros, colunas, cruzes de dedicação, capitéis e zarcana.

 

A segunda fase do restauro consiste na recuperação do lado esquerdo da Basílica, na terceira o lado direito e na quarta etapa a área central. As quatro fases deverão terminar no final do ano que vem. A quinta fase, que é o restauro da parte externa, será realizada em 2016.

 

Paralelamente, estão sendo restaurados quatro vitrais alemães, belgas e franceses, que apresentaram problemas de descolamento e estufamento.

 

O processo de restauração é quase todo manual e artístico, consistindo em quatro etapas: fotografia dos vitrais e desmontagem; troca de vidros quebrados, limpeza e inserção do chumbo; colocação de massa especial de vedação; e polimento final.

 

“Muitos destes vidros não existem mais ou são difíceis de serem encontrados, por isso nosso esforço é imenso em preservar e recuperar a beleza dos vitrais que compõem a grandeza da Basílica Santuário”, ressalta o reitor padre Leandro Ricardo.

 

Também está sendo finalizada uma obra para conter 11 pontos de infiltração com a desobstrução de diversas calhas entupidas e reparo na parte de fiação.

 

O investimento estimado da restauração, excetuando a parte externa, supera os R$ 500 mil, tudo com recursos próprios. No último um ano e meio, a igreja passou por diversas obras de reforma e adequação, além de restauração de imagens e objetos sacros.

A restauração do Presbítero estará pronta para a solenidade de instalação da Basílica de Santo Antônio de Pádua, que será realizada no dia 30 de novembro, às 10h.

 

O evento contará com a presença do cardeal de Aparecida e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Raymundo Damasceno, representante do papa Francisco. Esta será a primeira vez que Americana receberá a autoridade católica. São esperados milhares de fiéis de todo o País para a celebração.

 

“O Presbítero vai estar pronto para a celebração e a mobília vai estar completa, além dos brasões, insígnias e pontificações. São esperados muitos fiéis, porque não é um evento local. Basílica é o maior título que uma igreja pode ter. Ela atingiu o patamar mais alto”, destaca o reitor.

Matriz

No ano que vem, está programada a restauração da histórica Igreja Matriz de Americana, inaugurada em 1897. O plano é que as intervenções na parte interna e externa da igreja comecem no meio de 2015, após a conclusão da quarta etapa das obras da Basílica.

 

“A Matriz também espera por restauração há algum tempo. Ela passou por reforma na década de 90 e perdeu grande parte do seu aspecto original. Já estou recuperando imagens e conversando com a comunidade para saber como ela era”, explica o reitor. Além do restauro da parte arquitetônica, a programação da Matriz também será ampliada.

 

Campinas

 

Com orçamento estimado em R$ 7,1 milhões da restauração completa, a Catedral Metropolitana de Campinas já conseguiu R$ 2,8 milhões para as obras da fachada.

 

O aporte foi obtido através dos bancos Itaú e Bradesco e das empresas de alimentação Ticket, Alelo, Sodexo e FMC.

 

As empresas utilizaram a lei de incentivos fiscais, que permite a destinação para projetos de cunho cultural de 4% do Imposto de Renda (IR) devido pelas empresas (pessoa jurídica) e 6% para pessoas físicas. Os recursos foram negociados pelo deputado federal Guilherme Campos (PSD).

 

Segundo o coordenador do projeto, o arquiteto Ricardo Leite, a conclusão da fachada está garantida até o final do ano, mas são necessários mais recursos para estender a restauração para as fachadas laterais e outros projetos, como hidráulico, elétrico de iluminação e sonorização.

 

Todo o aporte deve chegar até dezembro, mas caso isso não ocorra, a restauração será feita parcialmente.

Atualmente, 20 homens trabalham na restauração da parte externa da igreja. “Estamos terminando a lavagem da fachada e neste momento estamos empenhados em executar essa parte da obra”, frisa o arquiteto. A estimativa para o término completo do restauro é de um ano e meio.

catedral, campinas, igreja, obra, restauração Ao contrário da Catedral Metropolitana, a fachada da Basílica Nossa Senhora do Carmo está sendo restaurada com recursos da própria paróquia.

 

Segundo o arquiteto Marcos Tognon, do Escritório de Arquitetura e Restauro Sunega-Tognon, responsável pelo projeto, a estimativa é que a fachada frontal seja concluída no início de outubro, e as laterais até dezembro. O custo total está estimado em R$ 600 mil.

 

“Entramos no último mês de obras. Estamos terminando o revestimento e fazendo testes da pintura, que deve começar na semana que vem. Vamos usar uma tinta especial e mesmo se chover não vai atrapalhar. A fachada frontal é mais alta, tem 26 metros, por isso começamos por ela. Depois vamos para as laterais”, afirma Tognon.

A restauração inclui ornamentos que estão faltando na fachada, como a rosácea no alto da porta principal, além de molduras em cimento armado que acabaram se soltando e a reprodução de duas peças em bronze que foram roubadas. Também será feito um novo projeto de iluminação especial.

 

“Pretendemos acender a iluminação no Natal. A fiação do fundo está passando próximo dos fios de alta tensão, e depende de um acordo com a CPFL. Mas as obras estão indo bem”, finaliza o arquiteto.

Escrito por:

Bruno Bacchetti