Publicado 06 de Setembro de 2014 - 13h12

Downey Jr. diz que gostou de se reencontrar com pequenas histórias familiares

Divulgação

Downey Jr. diz que gostou de se reencontrar com pequenas histórias familiares

O protagonista de "Homem de Ferro", Robert Downey Jr, deixa de lado sua roupa de super-herói para mergulhar em um drama familiar em "O juiz", filme que abre o festival de cinema de Toronto, sob o olhar cético da crítica.

A produção, que tem estreia no Brasil marcada para 16 de outubro, representa o reencontro de Downey Jr. com os papéis dramáticos.

 

 

Ele interpreta um hábil advogado de Chicago que deve voltar a sua cidade natal em Indiana para defender seu pai, um respeitado juiz interpretado por Robert Duvall, de uma acusação de homicídio.

"O filme não é um dos grandes trabalhos em que Robert e eu estivemos envolvidos durante tanto tempo", disse à imprensa sua esposa Susan, uma das produtoras do filme.

"Nossa esperança é que este trabalho nos conduza àquilo que temos conversado: fazer filmes sobre a vida real", afirmou a produtora, acrescentando que o trabalho foi inspirado em filmes antigos de "gente simplesmente conversando".

"Às vezes é bom fazer filmes que não impliquem em defender o mundo", opinou.

Depois de uma série de papéis dramáticos no início de sua carreira, incluindo sua atuação como Charlie Chaplin -indicada a prêmios do Oscar-, Downey Jr. se transformou no rei das produções de ação.

Suas interpretações em "Homem de Ferro" e "Avengers", inspirados nos quadrinhos da Marvel, assim como seu papel como o extravagante detetive Sherlock Holmes, foram sucessos de bilheteria.

Para o jornal Los Angeles Times, o drama familiar combina adaptações de filmes como "O Cliente" e "A firma", de John Grisham. "Mas para chegar à Academia (em busca de um Oscar) é necessária uma forte campanha comercial", escreveu o The Times.

Downey Jr. atua ao lado de Duvall, ganhador do Oscar de melhor ator em 1983 ("A força do carinho"), e da indicada à maior estatueta, Vera Farmiga ("Amor sem escalas"), assim como de Vincent D'Onofrio e Dax Shepard.

"Trabalhar com essas pessoas (...) me permitiu crescer um pouco inclusive na minha idade", contou Duvall.

Downey Jr. diz que gostou de se reencontrar com pequenas histórias familiares. "Todo o elenco vem de lugares diferentes aos que nos associam (...) e de alguma maneira este filme é uma volta ao lugar onde sempre sempre estivemos", explicou.

Recordando os árduos ensaios conduzidos pelo diretor David Dobkin, Downey Jr. considerou que sua experiência "foi incomparável com as que já tive desde que comecei a atuar".

"Lembro de um ou dos filmes em que os ensaios faziam parte da pré-produção. Assim é que se costumava fazer", acrescentou.

Este ano, várias estrelas de Hollywood atuaram em papéis dramáticos, como Matthew McConaughey, que se reinventou como um ator de dramas com sua interpretação de um paciente com Aids em "Clube de Compras Dallas", lançado no festival de Toronto do ano passado e que lhe valeu o Oscar de melhor ator.