Publicado 08 de Setembro de 2014 - 11h50

Por Agência Estado

Segundo IBGE, alta de preços desacelerou em julho em comparação com junho graças ao grupo Transporte

AFP

Segundo IBGE, alta de preços desacelerou em julho em comparação com junho graças ao grupo Transporte

Pela 15ª semana consecutiva, o mercado revisou para baixo a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2014, conforme revelou o relatório de mercado Focus, publicado nesta segunda-feira (8). O ponto central do levantamento mostra que a taxa esperada atualmente está em 0,48%.

Logo depois da divulgação pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) há quase 15 dias de que o PIB recuou 0,60% no segundo trimestre do ano e da revisão para pior do número dos primeiros três meses do ano, analistas que participam do levantamento diminuíram de forma robusta suas estimativas, passando de 0,70% para 0,52%. Agora, mais uma baixa foi vista. Há quatro semanas, a expectativa para 2014 era de crescimento de 0,81%. Para 2015, a estimativa de expansão de 1,10% foi mantida esta semana. Um mês atrás, a mediana estava em 1,20%.

A expectativa para o fraco crescimento costuma ser explicada em grande parte pelas previsões negativas do mercado para o setor industrial. No boletim Focus de hoje, os analistas previram que o setor fabril vai fechar 2014 negativo em -1,98%, e não mais em -1,70%, como era esperado na semana anterior. Há um mês, a estimativa era de queda de 1,53%. Para 2015, a previsão ainda segue em alta, mas diminuiu de 1,70% para 1,50%, após seis semanas sem alterações.

Os analistas corrigiram também suas estimativas para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2014. A Focus de hoje aponta uma mediana de 35,00% ante taxa de 34,94% da semana passada e 34,85% de um mês atrás. Para 2015, após 11 semanas em 35,00% sofreu um ajuste para 35,04%.

Inflação

A projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2014 subiu de 6,27% para 6,29%. Há quatro semanas, a estimativa era de 6,26%. Já para 2015, a mediana das estimativas ficou congelada em 6,29% de uma semana para outra. Um mês antes, a expectativa mediana estava em 6,25%.

A previsão suavizada para o IPCA para os 12 meses à frente também ficou estacionada em 6,24%. Há quatro semanas estava em 6 19%. Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 da pesquisa Focus, a previsão para o IPCA em 2014 no cenário de médio prazo teve uma mudança para baixo, passando de 6,34% para 6,28%.

Para 2015, a previsão mediana dos cinco analistas baixou de 6 48% para 6,40. Quatro semanas atrás, o grupo previa taxa de 6 33% para 2014 e de 6,48% para o de 2015. Para o curto prazo, a mediana das estimativas para o IPCA de setembro subiu de 0,39% para 0,40%; Já para outubro, o ponto central da pesquisa ficou parado em 0,49%.

Veja também

Escrito por:

Agência Estado