Publicado 08 de Setembro de 2014 - 16h45

Por France Press

Eleitores deverão responder à pergunta "A Escócia deve ser um país independente? Sim/Não"

France Press

Eleitores deverão responder à pergunta "A Escócia deve ser um país independente? Sim/Não"

Os partidos britânicos lançaram nesta segunda-feira (8) uma ofensiva sobre a Escócia para evitar que o país se torne independente do Reino Unido; uma possibilidade que, de acordo com as últimas pesquisas, é cada vez maior.

Faltam nove dias para o referendo de 18 de setembro, quando 4,2 milhões de eleitores poderão responder à pergunta "A Escócia deve ser um país independente? Sim/Não".

Desde que o referendo foi convocado, em 2012, os partidários da independência eram minoria. Mas no domingo (7) o jornal The Times publicou uma pesquisa do instituto YouGov indicando a vitória da secessão por dois pontos (51%-49%).

O ministro das Finanças, o conservador George Osborne, imediatamente prometeu que, caso os escoceses votem "não", novas competências serão concedidas ao governo regional.

Um plano deve ser divulgado até terça-feira com o apoio dos três grandes partidos britânicos - Conservador, Trabalhista e Liberal. Os independentistas classificam a decisão como um "suborno de última hora", nas palavras da liderança Alex Salmond, chefe do governo regional e líder Partido Nacional Escocês (SNP, na sigla em inglês).

"Depois de não conseguir assustar os escoceses, a próxima etapa é claramente tentar nos comprar", disse Salmond, que ao longo da campanha denunciou a estratégia de Londres de aterrorizar os eleitores com as consequências negativas que a independência pode trazer.

A rainha Elizabeth II, que os independentistas querem manter como chefe de Estado e que é considerada neutra neste debate, disse estar "horrorizada" com a perspectiva de secessão, segundo comentários feitos por uma fonte ligada à realeza que não quis se identificar.

O primeiro-ministro, David Cameron, disse no Parlamento que "a decisão patriótica seria votar em uma Escócia orgulhosa mas dentro do Reino Unido".

Nove dias para salvar a União

"Nada mais importa na política britânica do que salvar a União", foi o título nesta segunda-feira de uma análise no jornal The Guardian.

O escocês Alistair Darling, líder da campanha unionista e ministro das Finanças do último governo trabalhista, pediu o esforço dos partidários favoráveis à permanência da Escócia no Reino Unido, que foram menos atuantes do que os independentistas.

"Está muito apertado. Estamos em uma situação em que qualquer eleitor pode fazer diferença no referendo", disse Darling à rádio BBC, comparando o cenário como o de Quebec, província canadense que em 1995 decidiu continuar unida ao Canadá por uma diferença de 50.000 votos em um total de 4,7 milhões.

A possibilidade de a Escócia se tornar independente tem gerado especulações sobre o futuro político de Cameron. Gordon Brown acusou o governo conservador de "ter dado asas aos independentistas".

"Muitos estão irritados com o 'bedroom tax' (imposto criado pelo atual governo para os ocupantes de moradias sociais que tenham algum quarto desocupado), enquanto os ricos se beneficiam da redução de impostos", escreveu em uma coluna do jornal Sunday Mirror.

 

Veja também

Escrito por:

France Press