Publicado 06 de Setembro de 2014 - 13h30

Diante da propagação na África Ocidental da epidemia da febre hemorrágica Ebola, cuja magnitude foi subestimada, segundo a OMS, a Cruz Vermelha e várias ONGs insistiram na necessidade de uma mobilização maior para lutar contra este vírus

AFP

Diante da propagação na África Ocidental da epidemia da febre hemorrágica Ebola, cuja magnitude foi subestimada, segundo a OMS, a Cruz Vermelha e várias ONGs insistiram na necessidade de uma mobilização maior para lutar contra este vírus

O governo de Serra Leoa anunciou neste sábado que a população deverá ficar confinada em suas casas de 19 a 21 setembro para ajudar no combate à epidemia do Ebola.

Serra Leoa figura entre os três países - junto com a Guiné e a Libéria - mais atingidos pela epidemia.

No país, 491 pessoas morreram devido à doença.

Esta medida extrema é anunciada depois que a epidemia deixou mais de 2.000 mortos em 3.944 casos nos três países africanos, segundo a Organização Mundial da Saúde.

"O confinamento significa que as pessoas, com exceção daquelas essenciais ao serviço médico, não serão autorizadas a circular", afirmou o porta-voz do governo, Abdulai Barratay, à AFP.