Publicado 03 de Setembro de 2014 - 7h39

A agência de notícias russa Ria Novosti anunciou nesta quarta-feira (3) a morte, mês passado, na Ucrânia do fotógrafo Andrei Stenin, que teve o carro atingido por tiros perto do reduto separatista pró-Rússia de Donetsk.

"Nosso colega, o fotógrafo Andrei Stenin, faleceu. Ele não estava preso. Morreu há um mês", afirmou Dmitri Kiselev, diretor da agência.

O jornalista estava desaparecido desde 5 de agosto.

"O veículo foi alvo de tiros e pegou fogo em uma estrada perto de Donetsk", disse Kiselev.

Donetsk é o epicentro dos combates entre os insurgentes pró-Rússia e o exército ucraniano.

Um canal de televisão da Rússia exibiu imagens do carro incendiado do fotógrafo.

O desaparecimento de Stenin provocou uma forte mobilização da imprensa russa e a fotografia do repórter, com a frase "Libertem Andrei", era divulgada em quase todos os meios de comunicação do país.

A Rússia abriu uma investigação em agosto sobre o desaparecimento do fotógrafo e concentrava os esforços na hipótese de sequestro pela Guarda Nacional ucraniana.

O fotógrafo, de 33 anos, trabalhava na Ucrânia desde 13 de maio para a agência Ria Novosti, ligada ao Kremlin e que pertence à agência Rossia Segodnia (Rússia Hoje).

Stenin fez reportagens em Kiev, assim como nos redutos separatistas do leste do país, em cidades como Lugansk, Donetsk e Mariupol, segundo a Ria Novosti.

Um fotógrafo italiano e seu assistente russo morreram no fim de maio e três jornalistas russos faleceram em junho durante a cobertura do conflito na Ucrânia.