Publicado 29 de Setembro de 2014 - 22h55

Por Maria Teresa Costa

Mesmo com chuva, o nível das represas do Sistema Cantareira continua caindo e nesta segunda-feira (29) operou com 7% de sua capacidade total, utilizando exclusivamente as águas mais profundas dos reservatórios, o chamado volume morto.

 

O sistema vem perdendo em torno de 0,16% do volume armazenado diariamente e, nesse ritmo, a primeira cota do volume morto terminará em novembro.

 

A chuva, no entanto, ajudou a elevar a vazão do Rio Atibaia, para 7,4 metros cúbicos por segundo — o limite crítico para racionamento considerado é 4m3/s.

 

Na quinta-feira (25), o secretário estadual de Saneamento e Recursos Hídricos, Mauro Arce, declarou que a primeira cota do volume morto do Cantareira deve se esgotar no dia 21 de novembro.

 

A extração de água do segundo volume morto ainda não foi autorizado pela Agência Nacional de Águas (ANA), que espera o envio de um plano pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). 

Escrito por:

Maria Teresa Costa