Publicado 08 de Setembro de 2014 - 15h26

Campeão brasileiro de 2013 com 76 pontos, o Cruzeiro caminha a passos largos para a conquista do bicampeonato. O feito, inédito em sua história, é muito difícil de ser alcançado. Desde a criação do Campeonato Brasileiro, em 1971, apenas Palmeiras (72-73 e 93-94), Inter (75-76), Flamengo (82-83), Corinthians (98-99) e São Paulo (06-07-08) conseguiram a façanha. Não é por obra do acaso que a Raposa está prestes a entrar para essa turma.

O Cruzeiro é hoje, de longe, o melhor time do Brasil. E não é o melhor porque tem um jogador excepcional (como foi o Flamengo de Zico) ou porque possui recursos em abundância (caso do Palmeiras-Parmalat). O Cruzeiro vive um momento especial em sua história porque é gerenciado com profissionalismo e competência por sua atual diretoria.

O começo de tudo é o excelente trabalho de base. A Toca da Raposa I (a Toca II, inaugurada em 2002, é destinada aos profissionais) conta, entre outras coisas, com quatro campos de treinamento, academia, departamentos médico, odontológico e de nutrição, biblioteca, refeitório, sala de vídeo, vestiários, um hotel para intercâmbios e uma escola com ensino fundamental e médio para os jovens atletas.

É por isso que o atual elenco cruzeirense conta com pratas da casa de excelente qualidade.

O lateral-direito Mayke, por exemplo, tem apenas 21 anos. Chegou à Toca em 2010. Na última rodada, fez três assistências na vitória por 4 a 2 sobre a Chapecoense. O volante Lucas Silva, também de 21 anos, é outra cria do clube. É titular, faz ótimas atuações, está na Seleção Brasileira Sub-21 e é observado pelo Barcelona.

Não são os únicos casos. Outros jovens da base integram o elenco profissional e uma nova leva está pronta para sair do forno. Esse é um ponto importante, mas não é o único. O elenco foi muito bem montado e o técnico Marcelo Oliveira conta com boas opções no banco para todas posições. Dois jogadores do time dividem a artilharia do Brasileiro, dois foram convocados por Dunga e outros dois ou três estão nesse mesmo nível.

Na segunda-feira, a diretoria recusou uma oferta de R$ 30 milhões do Monaco por Everton Ribeiro. Vai utilizá-lo por mais tempo em busca do bi e sabe que, agora que chegou à Seleção, ele logo estará valendo mais.

A diretoria também foi muito bem após a inesperada eliminação nas quartas de final da Libertadores. Outros clubes pensariam em demitir o treinador, mas o Cruzeiro optou pela manutenção de Marcelo Oliveira, que faz ótimo trabalho. O Cruzeiro fez por merecer o sucesso do qual desfruta agora.