Publicado 01 de Agosto de 2014 - 7h25

Por Correio Popular

Eleições

Márcio Sousa

Advogado, Campinas

Em quem votar? A maioria dos candidatos que estão concorrendo a um cargo “eleitoreiro” ou tem ficha suja ou no mínimo tem um inquérito e/ou investigação contra o mesmo tramitando. E onde há fumaça há fogo. Caros eleitores, vamos tentar nessas eleições fazer uma limpeza na classe política. Candidatos que já tiveram seu nome envolvido em denúncias, que receberam contribuição de empresas corruptas, não votem. Já estamos vendo nas ruas de Campinas cavaletes, propagandas, santinhos, e têm candidatos aí que se não têm ficha suja ainda, é só questão de tempo. E não é um partido específico, são todos e de todos. Alguns até já tiveram cargo no governo federal, saíram por denúncias e respondem a processo. A limpeza ética e política só depende de nós.

PT

José Maluf

Dentista, Campinas

O PT vem torpedeando dois pilares da democracia: a liberdade de expressão e o direito de propriedade. Já vão muitos anos que movimentos de sem-terra e agora de invasores de imóveis urbanos são financiados pelo governo petista. Estão a todo custo tentando aprovar lei que controlará a mídia, ou seja, censura. Lula semeia a discórdia e o ódio entre brasileiros de diferentes classes sociais. Haddad tenta aprovar lei que liberará a invasão de imóveis em São Paulo. O governo federal coloca sua pata vermelha dentro de cada lar brasileiro com a aprovação da Lei da Palmada. Estão tentando implantar uma ditadura comunista no Brasil. (…) Capitalismo é a distribuição desigual do sucesso, comunismo é a distribuição equalitária do fracasso. É só olhar Cuba.

Culto à Ciência

Débora Seneme Gobbi

Diretora da E.E. “Culto à Ciência”

Há exatamente sete anos, nossa querida escola “Culto à Ciência” iniciava a campanha de revitalização desse verdadeiro templo do saber. Após esforços de toda a comunidade escolar, fomos contemplados com uma reforma /restauro, que teve sua conclusão em meados de 2010. Nossa Escola honra o fato de ter sido escolhida pelos campineiros, como uma das sete maravilhas de Campinas. Parabéns à RAC, pela iniciativa, e aos alunos, professores, pais e funcionários pela contribuição para a manutenção e valorização desse Patrimônio do Município de Campinas.

Barão Geraldo

Rota das Bandeiras

Assessoria de imprensa, São Paulo

Em resposta à carta de José Furtado, publicada na edição de 27/7, a Concessionária Rota das Bandeiras esclarece que desde a liberação da nova alça de acesso ao distrito de Barão Geraldo, placas, faixas e um painel de mensagem variável indicam o trajeto que o motorista deverá utilizar em direção a Paulínia, sem acessar o distrito. O usuário deve seguir pela marginal da Rodovia D. Pedro I (SP-065), sentido Anhanguera, e fazer o acesso no km 139, usando três das quatro alças do Trevo, para então seguir a Paulínia. Destacamos ainda que pontos de lentidão nos horários de pico foram registrados nos dois primeiros dias posteriores à intervenção, problema solucionado à medida que os motoristas conheceram e se adaptaram à nova circulação. (...)

Transporte

Mônica Delfraro David

Aposentada, Campinas

A Transurc precisa explicar melhor à população a questão do resgate dos R$ 2,00 (valor do casco=cartão) que só pode ser feito na sua sede. Não sei onde fica a sede, mas sei que, se a pessoa não morar do lado da sede, ela terá que pegar um ônibus para ir lá resgatar os R$ 2,00, e nisso vai pagar R$ 5,30 ou até mais se precisar de dois ônibus. Então, sugiro que nos mesmos locais em que se compra o bilhete, se resgate os R$ 2,00. Também precisa explicar se no bilhete recarregável para duas viagens, quando recarregado, cobrará novamente a taxa de casco (valor do cartão).

Aposentadorias

Alcinio S. Daher

Professor, Campinas

Existem na Câmara dos Deputados em Brasília três projetos importantes para serem votados, mas foram engavetados pelos três presidentes da Câmara (Michel Temer, Marco Maia e agora Henrique Alves), todos da base do governo federal. Os sindicatos dos aposentados e outros deveriam fazer um movimento para forçar a Câmara Federal a votá-los. Na mídia, ou em alguns movimentos sindicais, de vez em quando, vemos pessoas pedindo a inclusão para votação dos três projetos (já aprovados no Senado): fim do Fator Previdênciário; dar a mesma porcentagem de aumento do mínimo para todos os aposentados; e o que promete devolver em 5 anos (20% ao ano) o mesmo n<SC210,186> de salários mínimos que os aposentados recebiam quando se aposentaram. Aposentados e aqueles que vão se aposentar: enviem e-mails para os deputados federais pedindo a votação e aprovação dos projetos.

Água 1

Gustavo Mazzola

Jornalista, Campinas

Tenho lido cartas com manifestações negativas sobre uma declaração do presidente da Sanasa, que acredita na providência divina para a solução do grave problema do abastecimento de água em Campinas. Não vejo nenhum mal em se acreditar em Deus, pelo contrário, é a única alternativa certa com que nós, simples mortais, contamos enquanto viventes neste mundo. O dirigente principal de uma organização não precisa ser, necessariamente, um técnico nas operações da sua empresa: tem a missão de liderar e dirigir uma estrutura especializada, que, essa sim, trabalha com tecnologia para chegar ao sucesso de suas missões. E isso, com certeza, a Sanasa está fazendo com a melhor da sua eficiência, dentro das mais críticas situações atuais do problema. Espero que Deus ajude, também, algumas pessoas mal informadas a refletirem um pouco antes de expressarem pensamentos de tão carregadas e injustas colocações.

Água 2

José Luiz Rezende

Analista de RH, Campinas

Não tenho procuração para defender o atual presidente da Sanasa, porém, discordo radicalmente do sr. Wilson Aparecido Rabelo de Souza (Água - Correio do Leitor de 27/7). É correto afirmar que, de parte dos governantes (principalmente do governo do Estado), faltaram ações políticas e investimentos que evitassem ou minimizassem a situação crítica vivenciada pela RMC, (...) porém, todos os meios de comunicação divulgam que vivemos a pior seca em 80 anos. Assim, não podemos creditar ao atual presidente da empresa, há um ano e sete meses no cargo, inoperâncias de décadas, além da falta de interesse e comprometimento da classe política em geral, e muito menos duvidar de sua competência, afinal, ainda temos água na torneira. (...)

Educadora

Izabella M. de S. C. Serafim

Professora, Campinas

Tá tudo errado e a culpa cai só na professora, que realmente não tem função de limpar a criança, e nem deveria estar sem auxiliar. Muito menos o vigilante ficar na sala como a mãe sugeriu. Que dó da criança, rodeada de gente sem-noção do que é o papel de professor e de como deveria ser uma escola!

Escrito por:

Correio Popular