Publicado 03 de Maio de 2014 - 5h30

[CR_TXT_EMAIL][email protected]

Empresa fará estudo ambiental dos dois novos reservatórios

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) assinou ontem a contratação de estudos de impacto ambiental para dois novos reservatórios na Bacia do PCJ que serão construídos em Pedreira, no Rio Jaguari, e em Amparo, no Rio Camanducaia. Os estudos devem ser concluídos em 18 meses e custarão R$ 14,8 milhões.

Quando autorizadas, as obras serão realizadas pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee). Os novos reservatórios serão construídos abaixo do Sistema Cantareira e servirão como reserva hídrica estratégica da bacia do Piracicaba, Capivari e Jundiaí.

O reservatório de Pedreira ocupará uma área de 2,1 quilômetros quadrados, vai permitir uma vazão de 2,7m³/s e custará R$ 348 milhões. Já a barragem Duas Pontes, em Amparo, ocupará área de 4,6 quilômetros quadrados, com ganho de vazão de 3,7m³/s, ao custo de R$ 264 milhões.

A retirada intermitente de água do Sistema Cantareira causou um grande dano ambiental em rios da região, como o Atibaia e o Piracicaba. O governador foi duramente criticado por entidades ligadas ao meio ambiente e também por promotores do Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (Gaema), do Ministério Público.

Na avaliação da Promotoria, a liberação de 1m³/s para o Rio Atibaia, por exemplo, foi tardia, feita quando o dano já havia sido causado. Alckmin afirmou que cumpriu o que diz a legislação, que foi priorizar o abastecimento humano. Para tentar compensar o impacto, o tucano afirmou anteontem, em entrevista exclusiva ao Correio, que inicia em 15 dias um projeto de recuperação ambiental que terá início pelas bacias do PCJ e, posteriormente, do Paraíba do Sul. “Nós já temos um programa de recomposição de mata ciliar. Vamos ampliá-lo fortemente e vamos apresentar esse trabalho em 15 dias. É um investimento que envolve a Secretaria de Meio Ambiente e iniciativa privada. Você tem muitas empresas que tem compensações ambientais. Então vamos determinar esse investimento em mata ciliar e proteção de rios e nascentes. O trabalho será intensificado”, afirmou. (Felipe Tonon/AAN)