Publicado 03 de Maio de 2014 - 5h30

O edital para as obras complementares do Corredor Metropolitano Biléo Soares, entre Campinas e Sumaré passando por Hortolândia, será publicado na próxima semana. Com orçamento estimado em R$ 100 milhões, as obras deverão começar no segundo semestre e a previsão de conclusão é para 2015. Em Hortolândia, serão realizadas a extensão da Avenida Olívio Franceschini, passagem inferior sob a Avenida Emancipação, a construção do terminal metropolitano Rosolém e das estações de transferência Pinheiros e Peron. Em Sumaré, o projeto prevê a construção de estações de transferência na Rodovia Anhanguera, enquanto em Campinas será implantada a parada III na Avenida Lix da Cunha.

“Na semana que vem deve ser publicado o edital das obras complementares com o valor de aproximadamente R$ 100 milhões, e no começo de junho deve ter a sessão pública de abertura das propostas, e com isso já saberemos quem vai fazer aquele trecho, com início no segundo semestre”, afirmou o presidente da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), Joaquim Lopes, durante vistoria das obras do Terminal Metropolitano de Americana, que integra as obras do trecho Americana-Nova Odessa-Santa Bárbara d’Oeste.

O trecho de 24,3 quilômetros terá investimento de R$ 145 milhões, e deverá ser finalizada em dezembro. Em Americana, será erguido um novo Terminal Metropolitano, com área de 10.800 mil m², que abrigará 13 linhas metropolitanas, com destino a Sumaré, Nova Odessa e Santa Bárbara. Em Nova Odessa, estão em andamento as obras na Avenida Ampélio Gazzeta, onde será construída uma faixa exclusiva de ônibus. Já em Santa Bárbara foram iniciados os trabalhos de fundação do Terminal Metropolitano, que abrigará cinco linhas. Na Avenida São Paulo está em andamento a construção da faixa exclusiva para ônibus no canteiro central.

Rodovias

Para o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, após concluído, o Corredor Metropolitano vai desafogar o tráfego de ônibus metropolitano das rodovias. O acesso exclusivo para os ônibus deverá reduzir o tempo de viagem entre as cidades da região. De acordo com a EMTU, a velocidade média dos ônibus no corredor terá um acréscimo de 17%, e o tempo de viagem para os 47,4 quilômetros que ligam Americana a Campinas será reduzido em 15 minutos.

“O corredor é importante porque os sete municípios que o compõem ficam agraciados e preparados para ter um transporte de massa ligando todos eles e tirando das rodovias. Na SP-101 (Campinas-Monte Mor) e na Anhanguera, sempre angustia e nos deixa preocupados. As rodovias estão sendo municiadas com marginais e deixando esse problema atenuado”, disse Jurandir.

Segundo o secretário, outro benefício do Corredor Metropolitano é impulsionar a ocupação e o desenvolvimento dentro das cidades, retirando gradativamente os moradores das margens das rodovias. “Além de ser importante para a mobilidade, esse corredor tem uma função estratégica de ocupação urbana. Cidades como Sumaré, Hortolândia e Nova Odessa tinham um vazio urbano com todo mundo pressionando as áreas na frente das rodovias. Em Hortolândia é visível, houve um desenvolvimento mais pra dentro do município que mudou a cara da cidade”, disse.