Publicado 02 de Maio de 2014 - 5h30

A escassez de chuvas e o clima seco anteciparam a temporada das queimadas em Campinas. Ontem, no dia em que a Prefeitura deu início à Operação Estiagem, um incêndio tomou conta da antiga linha férrea que corta a Avenida Andrade Neves, na região do Botafogo. A fumaça invadiu a avenida e incomodou moradores, dificultando até mesmo a visão dos motoristas que trafegavam pelo local. O Corpo de Bombeiros agiu prontamente e apagou o fogo pouco após o início do incêndio. De acordo com a corporação, a queimada foi proposital.

“Infelizmente, a falta de consciência do cidadão faz isso. O fogo não pega sozinho”, afirmou o sargento do Corpo de Bombeiros, Archângelo, responsável pela ocorrência.

O motorista Mário Carlos, de 64 anos, mora em um prédio localizado atrás do incêndio, e diz que as queimadas no terreno são comuns. Segundo ele, o fogo começou por volta das 11 horas e rapidamente consumiu quase a totalidade da vegetação. “Direto acontece isso. O pessoal joga lixo, vem alguém e põe fogo. O fogo começou na parte de trás do terreno. A preocupação é com o nosso muro, que fica colado ao mato, ficar quente. A fumaça também atrapalha bastante”, disse.

Vizinha do motorista, a recepcionista Sandra Araújo, de 50 anos, disse que se assustou com a possibilidade do fogo atingir o prédio e causar uma tragédia. “O fogo chegou ao nosso prédio e estava invadindo. Está cheio de fuligem e vai direto aos apartamentos se não fechar as janelas, principalmente os apartamentos virados para o fogo”, contou.

A consultora de Tecnologia da Informação, Denise Dolcemasculo, de 38 anos, mora há alguns quarteirões do local do incêndio e mesmo assim reclamou do incômodo causado pela fumaça da queimada. “Moro aqui há pouco tempo e é a primeira vez que vejo algo assim. Não dava para ficar em casa por causa da fumaça, está horrível. Por isso vim até aqui ver onde era a queimada para chamar os Bombeiros”, relatou.

Operação Estiagem

A seca e a proximidade com a Copa do Mundo, quando os riscos de queimada se intensificam por causa de balões e fogos de artifício, fizeram a Prefeitura de Campinas antecipar em um mês o início da Operação Estiagem, que anualmente começa em 1 de junho.

A princípio, a operação terminará dia 30 de setembro, mas pode ser prorrogada se as condições forem adversas. Os treinamentos de combate a incêndio começaram no mês passado. A Operação Estiagem conta com uma força tarefa formada por homens de diversas secretarias e demais autarquias da Prefeitura, e terá ações integradas com as prefeituras de Monte Mor e Paulínia.

Campinas foi dividida em 34 áreas estratégicas, a maioria concentrada em Joaquim Egídio, Sousas, matas Santa Elisa e Santa Genebra e o Aeroporto Internacional de Viracopos. A Defesa Civil fará o monitoramento climático diariamente e soltará boletins.