Publicado 01 de Maio de 2014 - 5h30

O Cartório Eleitoral de Campinas estará aberto hoje para atender as pessoas que precisam tirar o título de eleitor ou pedir transferência do documento. Os funcionários do cartório trabalham em esquema de plantão até o próximo dia 7 — incluindo sábado e domingo, sempre das 9h às 18h. De acordo com a chefe do cartório, Egle Prado Vilhena, quem deixar para a última hora pode ter que enfrentar filas. As sete zonas eleitorais do município funcionam no Palácio da Justiça, no Centro de Campinas. “O movimento está bastante baixo, até atípico para a época, então, por isso, esperamos um movimento mais intenso nos próximos dias, principalmente no sábado.”

O jovem Leandro Tech Ramos da Silva, de 17 anos, fez questão de garantir o seu documento eleitoral para poder participar das próximas eleições, mesmo não tendo obrigação legal — o voto é facultativo para menores de 18 anos e maiores de 70. Adolescentes de 15 anos que terão 16 completos até as eleições poderão solicitar o documento. “Acho importante. Será a primeira vez que vou participar de uma eleição e espero fazer bem a minha parte”, disse Silva, que é estudante do 3 ano do Ensino Médio. Ele contou que recebeu um incentivo da mãe para tirar o título.

O estudante João Pedro Barros Simionato, de 18 anos, também cumpriu com o seu dever e entrou para a estatística de eleitores de Campinas. Em sua primeira eleição, ele garante que já está de olho nos candidatos. “Eu estou atento aos políticos. Eu sempre fui ligado em política, mas, agora, vou participar de uma eleição votando.”

Tanto Silva quanto Simionato compareceram ontem no Palácio da Justiça para fazer o documento. Eles não demoraram mais que dez minutos para entregar os documentos e sair de lá com o título em mãos.

Mas para quem pretende deixar para regularizar sua situação nos últimos dias do prazo, a chefe de cartório alerta para a possibilidade de filas.

Quem perder o prazo, só poderá tirar título ou fazer mudanças de zonas eleitorais após as eleições. “Este também é o momento para que as pessoas com dificuldade de locomoção peçam a mudança para seção especial, com acessibilidade e possam ficar em condições de votar nas eleições de outubro”, disse Egle. (Felipe Tonon/Da Agência Anhanguera)