Publicado 04 de Maio de 2014 - 0h00

Por Milene Moreto

Milene Moreto - ig

AAN

Milene Moreto - ig

Além de ter determinado o bloqueio de R$ 51 milhões de parte dos réus do Caso Sanasa, o juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Campinas, Wagner Roby Gidaro, também determinou o bloqueio de outros R$ 9 milhões referentes a um aditamento da Sanasa com a empresa Camargo Corrêa para a construção da Estação de Tratamento Anhumas. O bloqueio é resultado da ação de improbidade administrativa proposta pela promotora Cristiane Corrêa de Souza Hillal.

Envolvidos

No bloqueio anterior, os R$ 51 milhões são referentes ao rombo causado pelo contrato de vigilância da empresa pública com a Infratec. Outras duas ações de improbidade também propostas pela promotora Cristiane aguardam a avaliação do juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública de Campinas, Mauro Fukumoto, e são referentes a contratos da Sanasa com a Pluriserv e a Gutierrez. O prefeito cassado Hélio de Oliveira Santos (PDT) é réu nas quatro ações.

Bens

Esta é a primeira vez que o Ministério Público responsabiliza o prefeito cassado pelas fraudes em licitações na Sanasa. O caso ocorreu em 2011. O objetivo do MP agora é garantir o ressarcimento aos cofres públicos do dinheiro que supostamente foi desviado. O processo criminal, no qual consta a mulher do prefeito e primeira-dama na época, Rosely Nassim Jorge Santos, ainda está em julgamento. Rosely e outros integrantes do governo do ex-prefeito são acusados de fraudes em licitação, corrupção e formação de quadrilha.

Garantia

Antes disso, em 2012, o vereador Rafa Zimbaldi (PP), que presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que teve como resultado a cassação do prefeito, ingressou com uma ação popular na Justiça para pedir o bloqueio dos bens dos réus. A Justiça acatou o pedido em 1ª instância e o TJ manteve a indisponibilidade.

Difícil de superar

Na avaliação de cientistas políticos, vai demorar para que o Brasil forme um outro político com um perfil populista semelhante ao do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No Encontro Nacional do PT, na última sexta-feira, o presidente de honra da legenda começou seu discurso já com uma brincadeira. Ganhou um coro maciço dos militantes, mas tratou logo de defender a reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Não vou

Lula afastou a possibilidade de ser candidato e disse que, se tivesse tomado essa decisão, teria primeiramente comunicado a presidente Dilma Rousseff, depois o presidente nacional da legenda, Rui Falcão e sua mulher, Marisa. “A Marisa que decidiria se sim ou não”, brincou o ex-presidente.

Discursos

Lula orientou Dilma a fazer mais pronunciamentos e afirmou que estará em campanha pela a reeleição da presidente e pretende viajar para todos os lugares nos quais Dilma, por causa das alianças, não poderá tratar do processo abertamente.

Em São Paulo

No discurso que fez aos militantes do PT, Lula citou a disputa no Estado de São Paulo e aproveitou para alfinetar o PSDB. O ex-presidente afirmou que seus adversários falam em renovação no governo federal e chamam de “fadiga material” pelo PT permanecer 12 anos no poder. “Se fosse assim, os tucanos já teriam acabado aqui (em São Paulo)”. O petista falou que São Paulo sempre foi um Estado complicado e que “a situação precisa mudar”. O candidato petista é o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha.

Escrito por:

Milene Moreto